quarta-feira

A Vingança contra Reporquinha

Eu tinha uma sogra que era a personificação de uma praga, daquelas bem mulambentas e incuráveis. Inconveniente, invejosa e doida, mas doida pra me ver ferrada, a dona “Ijirda” Era muito claro, bastava eu errar para ouvir um “Mas eu não dixe?” (ela tinha língua presa). Já a filha, minha meiga cunhadinha, era ex-gorda, o que incluía uma longa lista de traumas e inseguranças despejados em mim, que na época ostentava um corpo de somali (e em represália, acabei apelidando a coitada de Reporquinha). As duas se empenhavam em me aporrinhar a vida, fosse me entupindo de comida, ou rogando praga nos meus planos.
Me livrei de vez quando terminei com o - não menos tonto - namorado e fui fazer intercâmbio. Depois disso, nunca mais vi dupla.
Hoje, na Rebouças, estava eu virando poça em um ônibus, quando olho pra baixo e vejo um Palio abarrotado. Eram as duas. Feias, redondas, suadas, despenteadas, Alcéia e Meméia vão a São Paulo. Ao descer do ônibus para atravessar a avenida, me vinguei. Muito carão, olhar no infinito e...“oooi!”. Sorrisinho falso e tchauzinho afobado. Não recebi a melhor das recíprocas, confesso.
- Quanto vale uma frustração, Araci de Almeida?
- Dez pau!


Depois de ser reprovada em uma apresentação de PGE, só cerveja salva. Porque, se eu fosse ficar levando a sério, já teria surtado.
Agora, que eu saiba, as merdas eram prá ter acabado ontem às 9, e não prá continuar...
Dedo de seta

Sonhei que era perseguida no Rio de Janeiro por ter dedurado um assalto. O tal assaltante era chefe do tráfico do Morro do Kibe Cru e eu tive que fazer uma plástica (Ladislau) para não ser reconhecida. No fim, eu e minha irmã nos jogamos em um poço de tubarões em Copacabana. E tudo era culpa da Paxtel!

Gah, preciso do meu remédio...

terça-feira

Papagaios me mordam

Se houvesse um chart de "como me irritar mais fácil", em terceiro lugar ficaria o item "pitacando gostoso no trabalho de Beatriz". Tenho meu modus operandi, que pode parecer muito confuso para alguns, mas é o meu e é isso que importa. Por isso, enquanto eu não entregar o meu trabalho é sinal que ele não está totalmente pronto, e portanto não é passível de ser avaliado. Será que preciso fazer um gráfico para explicar melhor? Devia deixar um no meu desktop, pregado bem grandão, com uma observação embaixo: "não fode!".
É a terceira vez que faço essa piadinha

Aserejé, ja deje tejebe tude jebere sebiunouba majabi an de bugui an de buididipí.

Hoje é a terceira apresentação de PGE. Já decoramos o refrão e temos a emoção para falar. Faltam bolsas escrotais fictícias.

segunda-feira

Lembrando da semana passada, no Rio, no dia em que eu tomei chopp e vinho e, já umbriacca, pedi um copo de água, ao que Miguel se deu ao trabalho de me trazer um copo "de pegadinha", com furos imperceptíveis, para que eu babasse tudo e me sentisse mais mongolóide. : )
Das comédias da minha vida...

Ontem tropecei em um mendigo perneta na praça de Moema.

Ta-rãããã!!!
Tenho necessidade de sono, de melhor humor, de cuidado comigo mesma.
Cheguei ao ponto de ficar curtindo meu mau-humor em azeite e pimenta, para não chegar a lugar nenhum. Me odeio assim. O sentimento tende do pouco caso ao ódio, sem passar pelo sorriso espontâneo. Me odeio mais ainda assim.
Peço desculpas pela cara fechada, pelo silêncio e pelo olhar trágico.
Não me desculpo pelo alheio.

domingo

Olha, você que queria aprender a bater punheta certo, tem uma moça que eu conheço que tá até com dor no punho de tanto fazê-lo.
Ela deve entender mais do que eu, ah, deve!

sexta-feira

poesia encefálica concretista

cabeça
eça
dói
mói
coração
ar-breathe
cabeçatêmporasmeucu

já deu, 'té segunda!
Minha faculdade se transformou em uma sinagoga de Jah.
Sensações incômodas quando desproporcionais:

muita fome x receita demorada

banho rápido x chuveiro fraco x muito condicionador no cabelo

pressa de chegar x pernas curtas

muito sono x metade do trabalho por fazer

quinta-feira

Tristeza é abrir o site da TPM e dar de cara com Angay, o cara que queria me dar uma rasteira.
Tomar choque não é bom
Esta anta interlocutora acaba de enfiar um alicate na tomada para salvar seu plug.
Entre Anais Nïn e Syang há uma fina linha. Ou você é foda, ou você fode.
É por isso que eu prefiro contar causos.
This charming girl

Se essa música tivesse feminino, eu dedicaria a ela.
Livre-se logo dessa síndrome de down, cocota!

quarta-feira

"Eu era uma criança lasciva.
Não podia ver mulher de biquíni nos trapalhões."
Você disse que tinha que mudar
Você disse que o quente é viajar
Você disse "cabelo grande é o astral"
Você disse "amor agora é grupal"

Comprei uma moto velha, toda coxa
Uma mochila cheia de pedrinha roxa
E saí pra ver o mundo, alucinado
E você me chamou de alienado

Nunca mais eu ouço você
Nunca mais eu caio do beliche
Vou juntar tudo pra ser
Um hippie-punk-rajneesh

Você disse que eu tinha que mudar
Você disse que o quente é meditar
Você disse "sem cabelo é o certo"
Você disse "o amor é o inferno"

Botei fora a moto, as pedras, o dinheiro
Fiquei careca e cantava o dia inteiro
"Hare-Krishna, Krishna-Krishna, Hare-Hare"
E você disse "Meu Deus, sai dessa, pare"

Você disse que eu tinha que mudar
Você disse que o quente é cheirar
Você disse "o cabelo agora é curto"
Você disse "o amor agora é bruto"

Nunca mais eu ouço você
Nunca mais eu caio do beliche
Vou juntar tudo pra ser
Um hippie-punk-rajneesh

Botei prego e tachinha no nariz
Comprei roupa toda preta e uma corrente
Compreendi a besteira que eu fiz
Quando você me chamou de indecente

Nunca mais eu ouço você
Nunca mais eu caio do beliche
Vou juntar tudo pra ser
Um hippie-punk-rajneesh
Ontem vi minha situação de vida na letra de uma música do Jota Quest.
Abri a bolsa e procurei aflita por uma gillete enferrujada. Suicídio em mim!
O problema é direcionar esforços a objetivo nenhum.
Me afobo, me atropelo, para dar tudo certo e... o que mesmo é para dar certo?
Desmorono novamente até a próxima correria.

terça-feira

Me conforta lembrar que há um ano eu vivia um número de incertezas, que agora vêm a ser igual ao de certezas.
Já não corro atrás da segunda linha.
Tem horas que bate na garganta e eu desando a reclamar de tudo, desde a atual conjuntura da minha vida, até o risco Brasil. Não quero soar como uma Avril Lavigne com a gravata na testa, achando o mundo complicado demais, nem estou em posição disso. O balanço é bom. O que fode são exatamente as picuinhas, pequenezas cotidianas que deviam estar abaixo da minha vista.
Queria saber ser mais lady e menos atenta à merda alheia.
shake your boootah

kc and the sunshine band - keep it coming love
c&c music factory - do you wanna get funky?
2 live crew - raise the roof
freaknasty - da dip
69 boyz - tootsie roll
barry white - let the music play
anita ward - ring my bell
kc and the sunshine band - do a little dance
kc and the sunshine band - shake shake shake
spice girls - holler
Mais do mesmo

- Menina, meu pulso dói taaaanto!
- Ah, é? Por quê, tem a ver com a gravidez?
- Tem, não agüento mais bater punheta pro meu marido.

- x -

- De quantos meses você está grávida?
- De quatro. E tenho um filho de 10 meses. Diz aí, eu trepo bem, hein?


Depois dessas, eu evitei trazer à tona assuntos de cunho sexual perto de tal pessoa. Dizem lá em Valinhos que ela inventou a alma gordinha.
Energias renovadas, cor na pele e meio porre. Um filme na cabeça, vista maravilhosa nos olhos, e muitos sonhos de consumo quase-improváveis. Conversas interessantes, selvageria e olhar trágico.

Se in vino veritas, eu te amo.

quinta-feira

Deu prá ti...blerghlblblblblb

Até terça.
Vou pro Rio comer bacalhau e pegar insolação.
Eu e ele, ele e eu.

Tchüess
- Eu acordo burra e mau-humorada
- Eu tinha esse problema até eu casar. Chama falta de sexo.


Alguém se lembra de ter me visto pedindo por isso? Não, né?
Do you feel like a chainstore?
Practically floored
One of many zeros
Kicked around bored
...
So give me coffee and TV
History
I've seen so much I'm going blind
And braindead virtually.
Socialability
Is hard enough for me
Take me away from this big bad world
And agree to marry me.
yadda yadda yadda

É muito chato quando cada novo encontro parece um dejá-vu.
Toma essa, Grubes!
Tenho o seu cd nos ouvidos. E não devolvo!

Trilha perfeita para uma quinta com cara de sexta, praia à vista.
10.000 Maniacs - Unplugged
Allez!

quarta-feira

Em uma tarde que eu precisava de letras fáceis e alegrinhas, encontrei a salvação em músicas do Lemmonheads, Blind Mellon e Black Crowes. Gosto desses neo-hippies-90, os grunges da natureza, mistura de Mick Jagger com Jerry Garcia.

Lembrei do Ben, meu amigo de Seattle, que presidia o "Greatful Dead Enthusiastics Club", usava tie-die até na meia, e tudo ele te respondia com um exaaaactly.
Minha cabeça tem o incrível poder de, em horas de muito stress e fadiga, fazer piiiuf e simplesmente me desconectar do mundo. É nessas horas que alguém acaba me dizendo algo importante, como a cura do câncer ou a seqüência de números para eu acertar a mega-sena.
letras que me enlouquecem

pge, hh, spc, icq, fx, vgv, doc, mhy

terça-feira

Despair

Seu sonho corporativista privada abaixo.

Viel danke, Günter
Prá não reclamar que nunca tive sorte em jogos, concursos, sorteios etc., ontem ganhei um pacote de 20g de Ruffles, a retirar nos postos de troca.

Yey!
(* Beatriz levanta um braço com a animação de uma senhora com artrite)

segunda-feira

ngf ngf ngf nííí...
quióóódio!

posto outro dia
É com orgulho de mãe que apresento este feito de Vicente Martin, meu mais velho.

Dia duro de Designer
Um conto cheio de aspas sobre a "saudável" relação agência-cliente

O cliente estava sentado do lado do designer responsável pelo site de sua empresa. Desde cedo aquele filho da puta estava lá. O dono da agência genialmente achou que era mais fácil resolver tudo diretamente com o "artista" local. Entre um clique nervoso do designer, seguido de uma leve bufada de raiva, o cliente dizia:

"E se pusesse o logo em cima?"
"Dá pra mudar o fundo dessa imagem?"
"Eu gosto daquela fonte Comics Sans! Conhece?"
"Meu sobrinho de 15 anos é web-designer também!"
"Eu tava pensando em uma coisa mais UOL."
"Pode deixar as imagens grandonas, o pessoal da empresa gosta assim!"
"Eu queria que a animação entrasse tudo rodando, com uns planetas no fundo."
...
Depois de alguns "ajustes" do cliente todo o trabalho bem-feito de estudo de cor, fonte, grafismos e fotos havia ido pro esgoto; tudo jogado fora. O designer puto, o cliente feliz! "Agora sim! Tá lindo! Bem que o teu chefe falou que você era bom!"

E o designer em mais um fim do dia se perguntava "Por que eu não fui ser advogado?"
Fazer a Lorena não é comigo, mas quando faço, me sinto digna de um papel na novela.
Argh

Fazer a Lorena: Apaziguar situações constrangedoras com um comentário "de bem com a vida", ir à forra no shopping, gastar dinheiro e dizer que faz bem ao coração, ter um jagunço como amante (pula essa parte), evitar o silêncio incômodo com sacadinhas imbecis.
o Uma conversa agradável com um amigo que compartilha os mesmos anseios que os meus
o Frio, muito frio
o Escrita fluindo
o Um coiso que se aninha no meu colo para me ver ler meio prefácio de um livro
o Comida boa, surpresas engordativas
o Ir na manicure e tomar banho descarrego
o Sol pós-almoço

Até que dá para se achar coisas boas em um fim de semana fadado à desgraça.

domingo

A diferença está no sorriso no fim da tarde de domingo. Se eu soubesse que essa felicidade existia, largava de vez as caras feias no sábado cedo.

sexta-feira

Acabei de dar uma saidinha para comer meu habitual panini com suco de maçã no posto. Quando cheguei no balcão, vi na minha frente um casal com um filho pequeno, daqueles diabinhos que destroem tudo. A mãe era uma dessas ex-patricinhas, recém-peruona, e o pai... O pai tinha algo de familiar, eu já tinha visto aquele rosto de perto e... BINGO! O tal era uma das minhas paixões pós-namoro-longo que eu tive. Na época, era quase um tiozinho, 7 anos mais velho que eu e me tratando como "a" adulta. Como tive que me mexer por causa dele. Encontros no Guarujá, fofocas com meus conterrâneos, despistadas na mãe para ir atrás dele na chuva...

Agora ele é um homem barbudo e sem paciência. E eu? Sei lá.
A vida é um palco - aula de Francês

marjous: Gru, como chama a quela música da Brigitte Bardot da ginastique?
Apfelsine: Tu veux ou tu veux pas?
marjous: Sei lá deixa eu procurar
Apfelsine: Não, esse é o nome! Com a interrogação e tudo!
marjous: Ah tá hahahhahahaha
Hora de entregar os pontos, deixar de ser a menininha mimada que diz ter vida. Se eu não fizer agora, me queimo e me prejudico.
Odeio admitir quando tenho que parar.

quinta-feira

Tooooooma!

Olá, BIa

Adorei seu texto. Divertido, rápido. O tema me soou um pouco batido, mas sua abordagem foi bem boa.
Mas estamos com a seção Atitude lotada. Os quatro colunistas fecham direitinho o pacote que queremos.
Quem sabe a Playboy?

bj
Ailin



Tem vezes que eu até gosto de pagar um mico. Uma hora me respondem.
Ai que vontade fudida de comer um hambúrguer!

by the way... estava contabilizando que o número de vezes que eu falei caralho nesse blog foi infinitamente maior que o número de vezes que eu disse paixão, que é igual a zero.
c.q.d.
Somehow you had me at hello...
Somehow you had me at hello...
Somehow you had me at hello...
Somehow you had me at hello...

Um dia ouço, outro dia repasso.
Atrasada, correndo, sou surpreendida por uma visão constante azul e sorridente. Roxa de vergonha, não consigo olhar para trás. Quando olho, sorrio e saio toda saltitante em minhas botinhas no meio da canela. Logo cedo isso faz bem.
Esse silêncio não é nada agradável
Hoje eu tô parecendo o Edgar Pícoli.

quarta-feira

Hoje me sinto como aquele personagem de Marcas do Destino, o filho bobo da Cher.
Minha cabeça dói, mãe, fala comiiiiigo??
Em (muito) tempo:

Ótimo post, . Depois da aparição tribalista, cheguei à conclusão que a Marisa Monte também tem problemas. Mano Wladimir foi muito prá minha cabeça...
Eu prezo a fina educação que me foi dada. Confesso que saio da linha de vez em quando, mas nunca fui de rodar o barraco. Prefiro a grosseria não-explícita, o tapinha cínico na cara, o comentário que faz parar para pensar. É difícil me tirar do sério, me fazer partir pro tapa, gritos e descabelamentos. Aliás, a última vez que parti para cima de alguém eu tinha dez anos. Vou engolindo seco, deixando de lado, estourando comigo mesma e retrucando polidamente.
Mas é claro, tem horas que a encheção é tamanha, e difícil de suportar. Nunca imaginei que fosse ganhar cobranças, assim, do nada. Controlam tudo o que faço, desconfiam do que não faço, cobram mundos e fundos, coisas que nem eu me cobro. Digo uma coisa, e tomo um coice por ter esquecido de outra. O que é isso? Que eu me lembre, não pedi pelo serviço de babás.
Permitam-me um VÃO TOMAR NO MEIO DO CU.
Obrigada
O próximo passo é pegar pelo cabelo.
Humm... diagnóstico errado: era gastrite. Nada que um buscopan na veia + dieta de folhas e grelhados não resolva.
Eu odeio ser eu.

terça-feira

Acordei sentindo a cama grande demais, e nós pequenininhos, eu fraca e com sede, mal conseguindo me mexer. O pescoço não dobra (meningite), o corpo dói (gripe), os olhos estão amarelos (fígado), a cabeça martela (enxaqueca).
Sou a médica de mim mesma e, depois deste diagnóstico, vou ali me internar.

segunda-feira

Vocês não tem piedade? Sabem que é feio prometer dinheiro para pobre e não pagar?
Volta aqui, duende maldito que rouba meus freelas!
Sonhos recorrentes

Um avião cai no campo de futebol da minha casa, em São Roque. Desta vez o motivo era a guerra.

?
Eu só não queria que a notícia viesse assim, tão colada na novidade boa.

Cri, um dia você agradece por ter passado por isso.
Fim de semana-prazerzinho
Sábado de sol gelado, preguiça de não conseguir sair da cama. Pizza de café da manhã, almoço às 6 na padaria. Passeio bobo pelas ruazinhas de Pinheiros. Show asi-asi do Lava. Domingo frio, cinza, de silêncio e preguiça ainda maior. Dia de moletom grande, calça bailarina velha e meião. Fotos impublicáveis, sono a cada 15 minutos, sorvete de creme com doce de leite.
OLHA A MINHA CARA DE QUEM QUER TRABALHAR HOJE!

sábado

...saco

sexta-feira

Eu trabalhava em um lugar que entoava cânticos nazi. Agora canto isso:

A véia debaixo da cama
A véia criava um rato
Na noite que se danava
O rato chiava e
A véia dizia:
- Ai meu Deus que acaba tudo, tanto bem que te queria!
.... ver meu coiso feliz: PRICELESS!
I've got the hook up, holler if ya hear me
UUUUUUUUUUUUUH
A influência de Monteiro Lobato em nossas vidas

- Aí, com esse dinheiro eu vou juntar e...
- Calma, você nem recebeu ainda!
- Ah, é que eu sou tão Laurinha, a menina do leite.
- Então calça esse tamanco direito ou sua granja vai pro espaço!

quinta-feira

Cabeça podre. Sinto que tenho um campinho daqueles com furinhos, nos quais você encaixa uma bolinha de metal, e tem que sacudir até encaixar todas elas. Minhas bolinhas não encaixam.
Da próxima vez que eu pensar em me aventurar pelos lados da Lapa (sábio apelido de Lapa PQP), me impeça.
Principalmente se eu estiver atrasada
e mais principalmente se eu não tiver tomado café da manhã.

quarta-feira



Mein süss junge
Momento alma-com-obesidade-mórbida

Piscinão de Ramos sensual!

créditos ao moço
Em matéria de fina escrotisse, minha grande amiga Gail me ensinou muito. Era ela que soltava os comentários mais ácidos em forma de perguntinha curiosa. Foi ela que sempre adivinhou o que eu estava querendo dizer, e algumas vezes duvidou só por blefe das minhas reais intenções.
A Gail pode até sair num arranca-rabo com algum inimigo, mas o outro vai ter que dar o primeiro passo. A Gail irrita fácil.

terça-feira

Eu ainda pego o maldito que me enganou em relação às minhas capacidades.
Stalk around

É aqui mesmo.
Fui submetida ao mundo dos fotologs:

Pega no meu e diz áilóviu
Um dia eu reclamei do ócio.
Hoje eu quero mais é ficar entupida de coisas prá fazer.