segunda-feira

Dava um braço prá começar um barraco agora. Não estou irritada, tampouco brava, mas seria ótimo sair na mão com alguém agora, ou pelo menos no grito. Alivia. Candidatos não faltam. Só lamento ter tido uma educação polida, que não me permite ser um pouco mais "zona norte".
Invoco os espíritos de Vera Fischer e Dona Jura, com uma pitada de Narcisa.
Uh!
Quem quiser me ver rindo desvairadamente esta semana, peça-me para contar a história do Porcino. Não garanto o riso alheio, a história fica melhor interpretada por tia Dora.
PeGanomEu

Prometo nunca mais tocar nesse assunto. Acabou. O grupo tirou 10, recebeu cinco indicações para o Prêmio Gracioso e ainda virou referência de trabalho na ESPM.
Simples assim.
Chorei feito uma imbecil, molhei a ombreira do coordenador do curso, tomei banho de champagne e dei gritos histéricos. Valeu a pena cada pequeno surtinho durante esse ano.
Agradeço às comparsas, e quero mandar beijo prá minha mãe, pro meu pai e prá você (Miguel, eu não sei pôr link!).
E agora, tentarei imaginar que estou de férias. Pelo menos a sensação de sair do trabalho e tocar a vida é bastante atraente. E eu vou ter muito o que tocar essa semana.

quinta-feira

Essa conversa devia virar um quadrinho do Níquel Náusea

Apfelsine [4:02 PM] :
to Bu or not to Bu
that's the question

Paulo Bu [4:04 PM] :
not to Bu
é a irmã dele!

Apfelsine [4:04 PM] :
ops
*vergonha* hihihi

Paulo Bu [4:05 PM] :
vc está em casa!!!!
sem problemas!!!

Apfelsine [4:05 PM] :
hehehehehe
os Bu são gente fina!

Paulo Bu [4:05 PM] :
valeu!!!!
Apfelsine [4:08 PM] :
:o)
Paulo Bu [4:08 PM] :
='.'=
Apfelsine [4:09 PM] :
meu deus, cumé que faz isso?
Paulo Bu [4:09 PM] :
='.'=
hahahahaahahaha
Apfelsine [4:10 PM] :
='.'=
consegui-i
Paulo Bu [4:11 PM] :
q bichas vcs...
HAHhHhHhHhhahahahaha
AQUI É O MARCOS
Paulo Bu [4:12 PM] :
ficam fazendo gatinhos
ui ui
Nesta última semana, eu entrei pro MEDA:
Mulheres que Ensaiam Demais Anônimas
E hoje, às 19h30, diremos o jargão "mais 24 horas... e chega que eu não agüento mais!".

quarta-feira

Eu consegui, em uma tarde, me transformar em uma compilação de metáforas feitas por minha tia Dora.
Osamei, ateei fogo às vestes, grudei no teto, desci a escada igual a menina do exorcista, virei o monstro do Dr. Jekyll e joguei aviões contra minha cabeça.
No fim, fiz aquele gesto "alargador" com os dedos indicadores.
Industrially recommended:
ABZ's
Eu quero beijo na boca de hortelã.
De café.
De feijão.

terça-feira

Alguém me ensina a colocar link nessa droga de Blogger New, que, vale dizer, EU NEM PEDI?!
ICQ entre eu e minha soul shitter

- Você viu que a sua prima teve filho?
- Eu soube. Nome horrível!
- Auli! O que quer dizer AULI?!
- Auli significa "porra" em Dinamarquês.

Sonho

Estava hospedada na casa de Fabio, o sedutor modelo italiano. Ele me contava da experiência de ser o protagonista de um comercial de manteiga. O que eu me pergunto é: como esse homem foi parar no meu subconsciente??


segunda-feira

Novamente, Deus e São Pedro conversam, desta vez debruçados sobre meu histórico de vida.
- Ô droga, essa menina é fogo. Jogamos um monte de seres incovenientes no caminho dela e, ou ela ignorou - corre à boca pequena que ela inventou a distração no mundo -, ou foi grossa. O que a gente faz agora para atormentar?
- Tive uma idéia, Poderoso! E se a gente fizer pressão profissional para ela ficar estressada?
- Não adianta. Um, ela está feliz com o trabalho. Dois, está vivendo à base de calmantes.
- Eita! Temos que pensar em algo...
- Já sei! Mas se eu não sou um gênio?! Claro, vamos pegar todos os vírus do mundo e jogar em cima dela. Menos SARS, que é sacanagem. Pega gripe, infecção, dor de cabeça, fadiga, altera paladar e olfato, coisinhas pequenas, mas que irritam. Ah, deixa ela bem gorda também!
- Xá comigo, comandante! Zzzz-pow!
- Isso. Assim a gente atormenta dois de uma vez. Ela com as pragas, e o namorado, que vai ter que agüentar o chororô famoso da dengosa.
- É nóis...
Monotemática.
Proibam-me de citar três determinadas letras.

Volto outro dia.

sexta-feira

Meu Deeeeeeeuuuuuusssss!
De onde surgem essas coisas?
Como ando dizendo por aí, estou como meu conterrâneo Juca de Oliveira: "A vaca tá indo pro brejo? Deixa ela lá."
Calmiiiinha, nada abala, felicidade é dormir comendo ursinhos de geléia.
Vou viver de Pasalix. A vida é mais clara assim.

quarta-feira

No limite, nas tampas, com o corpo começando a jogar a toalha. 45 do segundo tempo e eu vou chutar a boca do juiz. Conto nos dedos as considerações a fazer e as vezes que calo a boca.
Hoje eu só quero pensar no meu cômodo branco. Deixo pendurada a placa que diz "my way or the highway".
Um pio!
Sabe quem ligou prá você?
A infecção.
O mau-humor e o vocabulário sujo também mandaram lembranças.
Mexe comigo hoje pra ver, mexe!
Eu quero doação, não esmola.

segunda-feira

Ainda sinto nas costas as letrinhas me escrevendo bobagens...Suaves, chegando a me dar nervoso, subindo e descendo pela minha espinha, parando na dobra atrás dos joelhos. Essa é a hora em que eu grito e começo um chilique. Idem ibidem para a linha da tatuagem. Tento concentrar para não sentir cócegas e em contrapartida sinto tudo o que me rodeia com mais calma.
A semana começa melhor com isso na cabeça.
Ser movida à inveja não me leva a lugar algum se eu digo não ter pretensões. É aí que a coisa pega.
Assistam "A Última Noite".
Mas, se vocês forem manteigões como eu, levem um lenço.
Estudar alemão, voltar para o ballet, costurar, fazer curso de culinária, fazer mestrado, viajar, trabalhar até tarde, pegar mais freelas, passar o fim de semana dormindo, voltar a malhar, passar mais tempo com minha tia, ter plantas pela casa.
Alguém me disse que a vida pós-faculdade é muito melhor. E neste momento eu não quero que me desmintam.

domingo

Hit para cantar aos sábados:

Já sei sabotar
Já sei pegar no sono
E as baladas ter que furar

Eu tenho onde ir
Eu tenho como chegar
Mas eu prefiro mesmo é dormir

Eu tenho paciência com televisão
O que está faltando é disposição
Eu tenho um alguém
Se ele é preguiçoso, eu estou ficando também.

u-u-u-uuuuu-u-u...


Ei, parem já com esses ovos! Esses tomates também!
E lá vou eu, entrando na onda, versão Smashing Pumpkins.
Ah duh!


01. are you male or female? I am one
02. describe yourself: Soothe
03. how do some people feel about you? Frail and bedazzled
04. how do you feel about yourself? Jelly Belly
05. describe your boyfriend: Sweet Sweet Sweet
06. where would you rather be? Galapogos
07. describe what you want to be: Perfect
08. describe how you live: La Dolly Vita
09. describe how you love: Adore
10. share a few words of wisdom: Stand inside your love

sexta-feira

"Rapariga é você
Mal amada
Se faz de boba
Ele não quer te ter."

Mais uma página lítero-musical do cancioneiro popular. Ainda descubro quem é a dona da voz.

quinta-feira

Já tô até vendo...
Minha apresentação de PGE é dia 27.
Meu remédio para TPM acabou e eu não tive tempo de fazer mais.
O tal dia cai no pico do meu descontrole emocional.
Soma tudo, noves fora, igual a siricutico.
Cadê minha maracujina?
Vale Repetir

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele inteira fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada, ai
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
E me crava os dentes, ai
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me deixar maluca quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba malfeita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita, ai
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa, ai
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz

Chico Buarque, "O Meu Amor"
Pouco vivida nas práticas "berrínicas", ando sentindo enjôos ao ver pessoas que combinam ternos bege com blusas pink.

quarta-feira

Eu n?o sabia lidar com a morte. Achava que era algo que me assustaria, ver a perda de uma vida, e sempre evitei de pensar no que me aconteceria se um dia eu tivesse que encarar o fato.
Ontem cheguei em casa e vi minha Clementina tendo um ataque card?aco. Ela tremia, ca?da no ch?o da gaiola sem forças para até mesmo piscar. Minha primeira reaç?o foi me desesperar: dei ?gua, cenoura, raç?o, alguma coisa que a fizesse ficar mais forte e me dizer que ela n?o estava indo embora. E ela abria a boca para tentar respirar mais, sem conseguir.
Liguei para minha m?e, como se ela, de l? do sul, pudesse me fazer alguma coisa para impedir. Foi ent?o que ela me ensinou a ver um outro lado da morte. "Pegue a Clementina no seu colo, envolva-a com um paninho e a abrace, para deix?-la quentinha. ? tudo o que você pode fazer, deixar que ela morra tranqüila no colo de quem mais a amou."
Assim fiz, fiquei segurando o corpinho dela até que ela n?o respondesse mais. Fraquinha, ela me olhava com uma express?o de paz, de quem estava me agradecendo mesmo depois de ter sido essa relapsa m?e que eu fui. Depois disso, fui até o jardim do meu prédio e a enterrei.
Doeu bastante, e o que me mata é saber que o barulho que eu ouço n?o é o que ela fazia na rodinha, que do lado da estante n?o tem mais gaiola, que meu apartamento agora é mais vazio e silencioso. Mas ela foi embora daqui me dando uma liç?o. Foi a paga por quase dois anos de companhia m?tua, de amor dedicado.
Agora ela vai encontrar a(o) Rosalina (o), o Milo, o Tony, o Marcado Pelo Destino e todos os outros bichinhos do céu dos Hamsters. E em mim vai deixar a lembrança daqueles olhinhos vermelhos e aquele corpinho branco que fugia e se enfiava atr?s do fog?o.

terça-feira

Toda vez que eu começo um emprego novo, pago um mico no primeiro dia.
Na CIA, fiquei a tarde toda jogando paciência por falta do que fazer.
Na Procultura, fiquei chorando no telefone por um fim de namoro.
Na Fbiz, cheguei com a perna queimada com o ferro de passar.
Aqui? Bom, aqui eu vim com uma sandália três números menor e tomei um "trupico" no estacionamento, caindo no chão e me ralando. Com dó, a redatora me emprestou um par de tênis e até que não ficou tão mal, mas eu preferia não ter posto essa sandália.

Qual será o próximo?
Encontrei para mim uma nova inspiração: pensar na rapidez de Nelson Freire ao piano como estímulo para aprender a mexer nesse maldito teclado de Mac.
Admito algum progresso de ontem para hoje.

--x--

Quando eu crescer, quero ser disk-jóquei da CPTM.
Ontem, por exemplo, tocou "Coming Mr. Talliman, telling me banana" logo cedo.
Hoje posso vestir um cabresto e sair por ai me chamando de mula. Ah, posso.
Teimosia...
Não é que eu esteja em campanha anti-acento do blog. Sumi porque agora eu tenho um emprego que me ocupa de forma produtiva. Sem forró, sem gente burra, sem bife encharcado em óleo, sem ter que pegar dois ônibus, sem ganhar mal.

sábado

Não fode, blogger.

Gah, tou bebada!

sexta-feira

Sara Beatriz Bondukimann

?s vezes eu acho que devia me chamar assim. Murrinha que s?.
Ganhei um vale-tratamento em uma cl?nica de estética, e, como de graça é mais gostoso, marquei uma massagem. Dizia o folheto que o lugar ficava na Rebouças, perto do n?mero 4000. Peguei o ônibus e, depois de um ataque de pânico e desligamento do meu GPS, fui parar quase na esquina com a Marginal, num lugar que estava em reforma, cheio de recepcionistas doidas para que eu marcasse hora pr? fazer lipo. Pr? piorar, chovia.
Enfim, fui levada a um jardim que supostamente devia ser calmo, mas com o barulho de obra e dos caminh?es, era uma bela tentativa. Sentei na cadeirinha de shiatsu me sentindo a rainha das mitras* e ela começou.
Num minuto tudo começou a valer a pena. Eu digo que, se fosse rica, faria massagem todo dia. ? um tempo bem empregado, sim, ainda mais pr? mim, que coleciono n?dulos de tens?o nas costas. No fim, a mulher transformou um bife de segunda em filé mignon, e sa? de l? flutuando.
?, pr? mim vale o termo "de graça AT? injeç?o na testa".

* pr? quem n?o sabe, em Tatu? mitra quer dizer m?o-de-vaca.

quarta-feira

No relógio, 3:36h da matina. No rádio, uma canção politizada do Fagner. Eu bocejo pela quadricentésima vez e meus olhos mal param abertos. A Marginal passa rápida vista de dentro do taxi.
É o fim. A-ca-bou, você prá lá, eu prá cá, já dizia aquele cantor sertanejo. Maravilha. Saio do meu emprego infeliz, termino o pge e repenso a vida de forma mais light comigo mesma.
Posso dormir até meio dia hoje. Posso resolver minha vida.
Posso parafrasear o grande letrado de Limeira: "Quando saí da faculdade, me senti saindo de um hospital"
Pelo menos desta vez eu não tenho a boca cheia de pontos.

terça-feira

Se eu chegar atrasada, me demitem.
Se eu não fizer meu trabalho, me demitem.
Se eu brincar de trenzinho com a cadeira, dando volta no escritório, me demitem.

Mas, e daí? Eu já pedi demissão mesmo!!
Lalala, adeus choramingos matutinos, lá vou eu prá Lumina1!

segunda-feira

Considerações

Só eu sei das minhas vontades e do que me agrada. O problema é que pára por aí.

O problema não é falta de assunto. É falta de atenção.

O incerto às vezes vale mais do que o já estabelecido.

domingo

Na receita vai mostarda, shoyu, açúcar mascavo, vinho branco.