quinta-feira

Ela é ruiva, ela é minha gatam e ela nasceu no dia do Orgasmo.
Parabéns, Mana do Carcanhá Vermêio!
Menina Vende Tudo

Aberto o lojínia dos Bonduki

1. Secadora Brastemp
daquelas de quando a mãe casa
abertura frontal
64cm lateral, 70cm de largura
motivo da venda: não cabe em casa!!
R$ 50

2. "Sub-cama"
Com rodinhas e pés para armar
Em madeira padrão
Acompanha colchão
R$ 60

3. Fogão Continental
4 bocas
Conversão para gás a cano instalada
Praticamente novo
R$ 80

Contatos pelos comments, ou aqui

quarta-feira

Faz um ano que eu disse isso.
E por não ter mais o banho como ponto alto do dia - ou até ter, mas não como antes - admito que tenho sido cada vez mais feliz.
É só notar os progressos.

Te amo.
Já contei que tenho um estômago podre?
Jáááá...
E que ele não vai melhorar nunca? Isso não. Mesmo porque a notícia me foi dada ontem pelo médico metódico. "A gastrite não é uma doença, e sim algo que vai te acompanhar pelo resto da vida". Era o que me faltava. Corto da minha lista refrigerantes, frituras, bebidas alcoólicas e até sucos ácidos. Corto pra sempre se eu quiser viver bem e não virar dependente de Omeprazol®. E a partir de agora, dores de cabeça serão tratadas por um curandeiro, porque até aspirina me faz mal.
Adianta esbravejar? Não, óbvio. Ele foi bem claro na explicação. "Quer escapar da dieta, tudo bem. Mas seu estômago vai ficar marcado do mesmo jeito". Assim não tem nem como desobedecer.
Justo comigo, droga! É a punição por eu ser glutona, vinda de uma família de glutões que concentram o nervosismo no estômago. Agora toca aturar refeições no vapor, com gosto de sal, carnes na chapa...
Se a medicina é tão desenvolvida, que criem logo a prótese estomacal!

terça-feira

Quando você não gostar do que eu fizer, cale-se. Alfinetada nenhuma vai me fazer mudar de idéia.
Desista, estes são os fatos.
sana helua ya jamil
(meu Gido que me perdoe)

Este blog completou dois anos no dia 25, e eu ainda não decidi me tratar.

segunda-feira

Não cheguei a comentar, mas semana passada me gabei de não ter tido nadica de TPM. Estava num humor ótimo, bem diferente do humor "menina-do-exorcista+jekyll" que eu andava tendo há mais ou menos um ano.
Cantei vitória antes do tempo. Imagina, logo eu, terra fértil para as minhocas mensais, iria ficar sem essa "sensação" toda que é relcamar, chorar, dar escândalo e, principalmente, Osamar? Mas no fim não fiz nada disso. Sentei muda e melancólica no sofá, e esperei passar. Engoli desaforos e me botei de canto para não causar nenhum desconforto na reunião familiar.
Será que além de calma eu adquiri disciplina?
Good grief, parece que essa coisa não tem fim. Se antes eu era monotemática por só falar de faculdade, agora falo da mudança, a interminável. Sábado foi dia de dar o arremate final no meu apartamento antigo: comprar azulejos (vide "novela do chuveiro quebrado" - julho/02), lavar paredes, trocar interruptores etc.. Até que foi fácil, no começo. Achei o azulejo no primeiro lugar que fui, consegui que meu zelador fizesse o serviço (ai...), comprei interruptores baratos e cheguei a imaginar que tudo seria rápido e fácil. Hm... digamos que eu ainda tenha hoje e terça pra empacotar o resto...

Algumas observações:

- Para os inexperientes, um conselho para a vida: nunca, em hipótese alguma, deixe seus amigos bêbados mostrarem seus dotes artísticos e pintarem os interruptores da sua casa. O proprietário nem sempre vai ver por esse lado, e vai te mandar trocar os espelhos - e, ai, como é chato desmontar interruptores!

- Finalmente consegui ver por mim mesma a minha comentada incapacidade motora. Lavar paredes é uma tarefa para pessoas com um nível avançado de QI e de grande reflexo. Senão, fica algo mais ou menos assim: passa a pasta, escorre espuma suja, joga água, molha o carpete, mancha a parede de tinta aguada, passa a esponja, escorre água suja pelo braço, entrando na blusa e causando chiliques histéricos na patética pseudo-faxineira. Eu sofri. E só não chutei a parede porque teria que limpar de novo...

E ainda não acabou. Quando tudo isso terminar, ainda vou ter que achar espaço no apartamento novo para minhas tralhas remanescentes, porque ainda não adquirimos nosso armário Bergamo modelo Capelinha.
Ai...

sábado

Sexta-feira é dia de dormir com a língua roxa, dizendo frases desconexas.

sexta-feira

Dos erros gramaticais que nos aporrinham o dia

"Seu pai e tio Ryad estão indo ao oculista, porque ele está vendo tudo dobrado. Tenho medo de ser descolamento de retina."

Nessa sentença eu entendi que o paciente seria, claro, meu pai.
1- Porque ele tem mais motivo de ir ao médico do que meu tio, que está só de visita.
2- Porque ele já tinha um histórico de dores e tremedeiras no olho.

Medo, aflição. Não era hora de acontecer nada com meu pai. Rezei a manhã inteira com medo de ser pior.
Não era. Nem o pior, e nem com meu pai. Entendi tudo errado. Ainda discuti com minha mãe. "Mas como ele não pode focar a visão e vem dirigindo por 8 horas prá São Paulo?"
Tem horas que eu me sinto ignorante e logo lembro da frase "vaderesca", dita por seu Vicente Vader, Avô: "A ignorância é a mãe do atrevimento."
Sábio pai de dona Graça, explicou exatamente minha atitude. Mal aí, mãe e quem mais eu atormentei com minha aflição.
I-Ó!

quinta-feira

*Beatriz dá um "espreguiço" sorridente dentro de um camisão branco e meias fofas*

Deu prá perceber meu constante bom-humor?
Só pra saber. Depois de acostumar com a nuvem negra na cabeça, eu quero mais é tranqüilidade.
Da placas infelizes que a gente vê por aí:

"Manga Rosa: não é lounge, é aqui."

Por favor, coro de estudantes ginasiais, entrem e dêem seu famoso brado.

quarta-feira

Já posso me chamar de multi-mulher.
Pelo tanto de queimaduras que tenho nas mãos, adquiridas nessas últimas semanas de casa nova, eu podia dizer com convicção que odeio o forno. ODEIO. Ele e sua grelha maldita.
Mãe, me dá uma luva?

... ter o punho envolto em gaze pelo menos me rendeu um agradinho...

segunda-feira

E como toda boa casa de publicitária recém formada, já estou doida para colocar minhas "sacadinhas decorativas" em prática. A primeira já está posta em seu lugar.
Cresci vivendo em – e visitando – casas que possuíam crucifixos sobre a cama do casal. Só na casa dos meus avós paternos (seriam eles Gidos, mãe? Já que tenho Nonnos…)que havia uma Virgem Maria no estilo da Igreja Ortodoxa.
Enfim, agora que tenho minha casa, por que não colocar um desses? Aproveitei o Cristo de Dalí do Miguel e pregamos acima da cabeceira. Agora quem entrar no meu quarto, toma uma cotovelada no baço, acompanhada de um "pegou?".
A próxima sacadinha será estender uma passadeira vermelha no banheiro, que será o tapete real em direção ao "trono". Não só pelo trocadilho infeliz, mas também pela funcionalidade.
Satisfação. Agora tudo é limpo, tudo tem seu lugar - provisório, mas tem. O que ouço é o que eu quero ouvir e a parceria funciona perfeitamente.
Isso se chama, literalmente, "melhor que a encomenda". Surpreendente bom, e eu não digo que isso contrariou minhas expectativas.
Hoje eu quero ouvir um "você tá com uma cara óóótima, menina!".

sexta-feira

O longo almoço da sexta feira:

- Duas travecas almoçam ao meu lado, acompanhadas de "mamã", que dava conselhos de beleza às donzelas - inclusive de como disfarçar a barba.

- Uma mulher peruérrima, de moletom de plush rosa duas-peças, entra no meu ônibus (7245 - Shopping Morumbi) e pede para descer na Avenida Ipiranga.

- Um pentelho, daqueles que usa gola rulê e pede pro barbeiro "deixar o cabelo mais alto em cima", manda uma mulher parar de mascar o chiclete fazendo barulho.

- Um menino fumaaaado tem um ataque de riso sozinho no ônibus e contagia o resto.
Se eu tivesse habilidade para fazer uma invenção efetiva, patentearia o "Pegador de Bichinhos da Preocupação com cabo telescópico".
Esse "gadget" retiraria facilmente os pensamentos chatinhos que invadem o cérebro das pessoas, fazendo com que elas vejam razão em tudo e não fiquem com carinha de bunda.
Enquanto eu não produzo um desses, continuo oferecendo meu colo.

quinta-feira

Vida de Vidinha

Acabo de voltar de um almoço com mais três meninas, onde aproveitamos para passar na ponta de estoque da Opera Rock e na Contém 1g. Como meu horóscopo disse que o dia não estava bom para compras, apenas "me dei" um esfoliante óóótimo.
Eugênio, agora traz o champagne!
Ontem eu conheci a sala de tortura da Runner.
Lá eles detonam sua auto-estima com índices de peso, altura e flexibilidade.
Média 6 para mim.
(O Miguel bombou, hohoho!)

quarta-feira

Trâmites da mudança

- Boa tarde, eu gostaria de cancelar minha linha?
- Qual o número, senhora? Em nome de quem esta linha estaria estando, no caso? Qual o RG e CPF do titular, por favor?
(bla bla bla)
- Olha, senhora, pelo que pude ver no meu cadastro, a senhora utilizou esta linha em três anos, não gostaria de estar transferindo esta?
- Não, não, eu já possuo outro, instalada.
- Mas, no caso, a senhora pode estar transferindo e utilizando para internet, recados, escritório, assuntos comerciais, speedy ou até mesmo assuntos pessoais.
- Obrigada, eu não vou querer.
- Mas a senhora utilizou esta linha em três anos, não gostaria de estar transferindo esta? No caso, a senhora pode estar transferindo e utilizando para internet, recados, escritório, assuntos comerciais, speedy ou até mesmo assuntos pessoais.
- Não, já foi decidido. Vou cancelar a linha.
- Mas a senhora utilizou esta linha em três anos, não gostaria de estar transferindo esta? No caso, a senhora pode estar transferindo e utilizando para internet, recados, escritório, assuntos comerciais, speedy ou até mesmo assuntos pessoais.
- Entenda. Com todas as letras. EU-NÃO-QUERO-ESTAR-TRANSFERINDO-
ESTA-LINHA-NO-CASO!
- Pois não senhora sua linha estará sendo cancelada em até 24 horas a Telefônica agradece alguma dúvida obrigado boa tarde!?
"Pra esquecer um amor platônico, só uma trepada homérica."
(Graça Vader, professora e filósofa)
Ontem, a cena mais marcante da minha noite foi um mendigo catador de latinha ao telefone (mais propriamente no orelhão), dizendo:
- Seus pais pagaram sua faculdade! Eu tenho que catar latinha para pagar a minha!
E por momento algum eu pensei que ele pudesse estar bêbado.
Meu nome é Beatriz, mas pode me chamar de pianinho.

terça-feira

Fama para todos

Nando Rossi participou ontem de um jantar na casa de um certo casal, onde instalou o computador da anfitriã e saboreou um prato de macarrão ao molho-aguado.
Hoje, estenderá a assistência técnica para ir a um show de new wave.

(Nandeco, que bom que você gostou da minha casinha nova. Um bagato!)
O que me ocorreu foi um surto por não saber o diferencial. Por sentir que o comum é parte da minha rotina mental. E por ter medo de não saber seduzir de outra forma que não seja a medíocre.

O que eu tenho que te faz gostar de mim?


Dói bastante, mas se eu não fizer revisões como essa, meu lugar no limbo está garantido.

Por que diabos existe a comparação?
Longe de mim ter a mão passada na cabeça. Mas, de vez em quando, uma voz que acalma vai bem.
Parafraseando Vô Jairo, se hoje chover c*r*lh*, cai b*c*t* na minha cabeça.

segunda-feira

Eu quero ter motivo para dizer "Não te fresqueia, guri!" para alguém.

"Fresquear" é a melhor expressão que tem, depois de "frenesi".
Por mais ridículo que possa soar, vejo minha rotina atual traduzida numa música do Renato Russo. Uma que fala de pares de meia emprestados e tudo mais.
E eu estou achando isso o máximo.

sexta-feira

Alquém dira eza gribe de dendro de bim? Eu dum aguendo bais...
A sabedoria rica de Paulo Bu

"Shiny Happy People me deixa mais deprimido do que Everybody Hurts."

E a fofoca da semana

Senhor Carlos "Agá" Pellegrini está tocando com o fiote da prefeita. Pânque, pânqueee!

quinta-feira

Aprendendo termos com Haydee Uekubo

joaninha [4:04 PM] :
E eu aqui... de bode. Porque teve puto que foi pra Argentina... um foi de férias. O outro mudou-se. Preciso de um puto novo

Apfelsine [4:05 PM] :
Ô, que coisa! Puto é pretê?

joaninha [4:06 PM] :
Hehehehehehehe
Não... puto é puto. Pocket puto. Puto de bolso... amigo de foda... frila... entendeu? Pretê é quando você fica com vontade de assinar carteira.
Eu tô feliz e é isso que importa.

Mudei da Vila Mariana. Agora moro com o Miguel na rua mais linda, no prédio mais bonitinho, no apartamento mais aconchegante de todos, ali nas imediações da Bela Vista.
Tenho um vaso de begônia e uma luminária de lanchonete na cozinha. E a zona permanece, é claro, mas eu um dia chego ao fim da arrumação. Como todos me disseram, "mudança é assim mesmo" (talvez minhas costas uma hora entendam e parem de doer).
Onde eu queria chegar era no fato de estar muito feliz. A nova rotina me agrada, a casa tem uma "vibração boa" e no final das contas eu sinto que corresponde ao que eu queria.

Eu tô feliz e é isso que importa.
O melhor diálogo do dia:

"- Esse tempo tá bom pra ficar em casa vendo desenho.
- E comendo a variação mais fedida de Cheetos com a variação mais nojenta de Fanta."

terça-feira

Quem diria que a mesma banda que fez Anna Júlia faria uma música pela qual confesso estar apaixonada.
Samba a dois. Procurem, ouçam, sambem a dois.
Cridi, valeu pela dica!
Esforço válido, nervosismo bem recompensado. Uma semana de planejamento para uma festa surpresa. Invasões de icq, convite em flash que não abria, grande apoio familiar, mentiras vindas do chefe, da namorada, da irmã... sentimentos de culpa extremos.
Mas o agraciado também resolveu complicar, sim. Queria instalar chuveiro na casa, deixou a sala bagunçada, ficou preso no trabalho.
Deu certo, mas me custou um maxilar travado e alguns chiliques.
Agradeço os colaboradores (Rodrigo David, Renata, Cassio, Casal Pinho-Inoue, Sr. Lazzuri) pela paciência de Jó. E prometo que a próxima será só quando eu tiver crias!
Sensações novas, mas já habituadas. Acordar com o "cuí-cuí" do bichinho no andar debaixo, o sol e as copas das árvores fechando a rua, e o dono do mercadinho jogando conversa fora. Pilhas de roupas e sapatos e livros e tupperwares. Sorriso compartilhado e canseira boa.
Muitos não acreditaram, mas para mim a felicidade é vê-lo aninhado no meu colo, dormindo.

segunda-feira

Se eu fosse uma música da Adriana Calcanhotto, diria:
"Tenho mãos ásperas e ainda vejo o pó pela casa".

Se eu fosse um colunista de jornal do interior, publicaria:
"Hoje é dia de pique-pique para Miguel, namorado da neta do seu Mário."

Se eu fosse o cara do Rappa, cantaria:
"Eu não sei mentir direeeeito nããão..."

Se eu não tivesse muito o que fazer, teria ficado na cama.
Argh!

sexta-feira

A parede branca já nos pertence.
Falta agora tempo para preenchê-la.

quinta-feira

Eu te amo porque você ri quando eu imito uma elefanta e quando eu digo "a maionese não!".

quarta-feira

Perdendo dentes. De 32, devo ter uns 10 sem tratamento de canal, e somente 30 realmente meus. Agora, um a menos, o do siso. Mais dor, mais dias comendo sopa, mais lágrimas (porque eu tenho que sofrer).
Depois, o pior: a-pa-re-lho. Separadores, molas, extra-oral, móvel, e tudo mais o que puder enfiar na minha boca. Se eu já não tivesse lidado com isso no começo da adolescência, estaria sentada num divã.
Começo a desenvolver um sentimento que eu não queria ter, e pior, não quero levar adiante.
Porque que toda vez que eu reclamo de alguma coisa, me convenço que o problema sou eu e deixo de lado, até a reclamação voltar com força maior.
Um troco me aliviaria de vez em quando.

terça-feira

Clube das Metáforas Infelizes

A vida é uma grande leva de pop-ups, que quando você pensa que conseguiu fechar todos, vem mais uma leva se multiplicando.
Em outras palavras, não consigo ficar uma semana com a cabeça vazia.
Correria, uma lista de coisas pendentes que finalmente aos poucos são resolvidas, mas nunca se esgotam. Do aparelho nos dentes ao eletrodoméstico, tudo tem um prazo a ser cumprido.
Cansa, mas é pro meu bem.
"... e no fim, foi ela quem fez tudo o que esperavam dele."