sexta-feira

Hoje tem sol, música boa, roupa confortável, cabelo no lugar, Rio à vista e clima bom.
Mas em cima da minha cabeça tem uma nuvenzinha negra e pesada, chata prá dedéu.

...uma boa prova de como eu consigo estragar o que tem tudo pra dar certo.
Sabe, tem vezes que eu tenho uma vontade enorme de te mandar pastar. Não sei por que eu fico quieta.

quarta-feira

Daqui uns 28 anos, quero ter um casal de filhos: Hedônis e Gene-Rose.
Porque eu quero que eles sejam como os nomes. E digo mais, seus padrinhos já estão escolhidos.
De novo no Pasalix. Ruim é sentir o efeito: os olhos vêem menos, a pressão cai, o sono é imediato. Pelo menos o estômago não amarra e muito menos a cara. Não devia me acovardar, e tento não fazê-lo. Vou levando, cambaleante.
A felicidade pode ser uma bandeja de 20 fatias de cheddar, né não, Juliana?
Jorge desbanca Marília Gabriela, João Dória e mesmo o bafento do David Letterman.
E eu sou a primeira cobaia pobre, endividada mas limpinha.
Apareça!

segunda-feira

Porque eu nem posso mais reclamar...

...afinal eu disse que semana boa era a que chovia nos dias úteis e fazia sol no final.
Taí. E agora, reclamo de quê?
Preguiça

Vai ler o texto.

sábado

Sexta-feira, 20h

Meu cabo conector de neurônios desligou no metrô. Saí sem o senso de direção e caminhei tonta até a saída. Um menino estranho desceu a escada aos pulos. Aterrisou na minha frente, e era ninguém menos que Thiágara Maravilhosa, menino que eu fui carrasca nos anos de ginásio. Não, ele não embichou como prevíamos. Acabou saindo vestido de Corvo pela rua, botando realismo nas feridas e na maquiagem. Ele fez que não me conhecia. Ufa!
Queria tomar bênção na igreja, mas consegui a minha famigerada edição de "Estranhos no Paraíso" e eu agradeci por haver um casamento acontecendo na São Luís. Garanti minha Bohemia gelada, meu Doritos Nacho e os pés para cima.

quinta-feira

Hoje eu fui Dylan Klebold, Charmuta, Lili Carabina, Heidi Fleiss, Aromatizante Baunilha 5, Zico, Eu trabalho com Internet.
Amanhã serei Dolly pela manhã.

Vou jantar com o Jorge e ver a Lélla e preciso ver a Grubes e almoçar com a Telma.

A zona de casa me incomoda, mas a preguiça vence. O lema é "Incomodada porém descansada". Sábado eu pretendo dar cabo neste tormento. Digo, preciso.

terça-feira

MML Inc. - Make Me Laugh

Apfelsine [3:33 PM] :
e eu que vi hoje o outdoor do concrete blonde e li "cocrete" hahaha!
fiquei pensando que raios era esse "cocrete" de outdoor

Tulio [3:35 PM] :
hahaha
cocrete blonde.
vc achou q era o outdoor da playboy da Danielle Winitts? hahahaha

Apfelsine [3:36 PM] :
HAHAHAHAHAHAHAHA
Danielle Cocrete

Tulio [3:39 PM] :
vc viu o outdoor? a mina cheia de óleo, e um bronzeamento marrom, demorou,
Certeza q é a Cocrete Blonde.
Não minta. Ou ao menos seja sincero em sua mentira.

sexta-feira

É hoje o esperado dia. Começo a fazer musculação, ioga, street-aero-cardio-lambada e o escambau. Por amor ao dinheiro, e não por vaidade, afinal já está pago desde junho.
Agora é parte da rotina descer a Av. Angélica trajando minhas camisetas de campanha política, algum short de lycra velho e meus tênis esquisitos, Não, não me renderei ao modo de vida das ratas de academia, lembrem que há um ano e tanto eu já fazia campanha pró-malhação em horários matinais, para evitar o encontro com os aficcionados pelo corpo. Quero me exercitar ao lado de velhinhos e seus terapeutas, gordinhos com baixa-estima, gente bacana assim, pra evitar surtos de ódio de marombeiros mal-educados e vacas siliconadas que tomam meu lugar no supino.
O que eu estou falando? Entrei pra Runner e não quero entrar no esquema. Melhor eu desistir dessas revoluções e fazer minhas séries quietinha.
i?

- Sonhei esta noite que havia uma cidade no Rio Grande do Sul chamada Mari Alexandre.

- Às 7h20 da manhã, tocaram meu interfone para entregar o convite da pré-estréia d'Os Normais. O horário faz parte da estratégia de marketing?

- Ontem descobri dois novos cheiros: o sebo-temperinho, que permeia os ônibus logo cedo e me dá ânsia, e o cheiro-de-atum-deixado-na-panela-por-dois-dias. Este último veio para provar aos homens que bacalhau não tem nada a ver com mulher.

- Ok, eu confesso que nunca me senti tão porca ao falar de um assunto.

- Ganhei uma carteira da Hello Kitty e minha febre consumista passou. Mas eu ainda preciso de calcinhas.

- Amanhã serei uma pessoa extremamente frustrada se não estiver fora de casa, fresh and free, às 9h da manhã.

Sem mais,

quarta-feira

Pull the shades
Razorblades
You're so tragic
Hate you so
But love you more
So elastic
Things you say
Games you play
Dirty Magic


Me faaaz paraaaaarrrr com issooooo!!!!

Like Holden Caulfield
I tell myself
It's gotta be a better way
But I lay in bed
And stare at the ceiling
Dream of brighter daaaays
Still can't get right (uoooo uoooou)


Ponto pra quem lembrar quem canta essas tranqueiras.
Afaste-me de meus cd's da adolescência. Agora!
I'll feeeel aaalriiight... As long as it matterrrrs...
Não, eu não preciso disso.

terça-feira

Tenho a impressão de um dia vazio, branco, sem pessoas, vozes e pedaços da rotina. É por isso que eu meto nos ouvidos o barulho que já me dava saudade.
E me faz bem fazer os ouvidos de penico para algo planejado.

sexta-feira

Bitchin' and liking it.

Volto a me expressar do jeito que gosto. Exponho com clareza, discuto e levanto hipóteses. Desopilo no final das contas.

quinta-feira

Quer dormir bem? Quer se sentir como uma pluma feliz suspirante que tem orgasmos ao bocejar?
Tome umas 45 gotas de Neosaldina*.
Ou melhor: chegue assustada em casa, com dor de dente, e peça para seu significant other te preparar um analgésico. Quando estiver perto de terminar a contagem de gotas, faça com que ele se distraia. Pronto! Beba a mistura e espere fazer efeito.
Depois disso, esqueça fórmulas como MDMA, morfina e o escambau. Só a dipirona sódica proporciona prazer sem dar ressaca.

*ou mais, se você for mais alto ou pesar mais que 52kg.

quarta-feira

Estou virando estatística no assunto "paulistanos que sofrem de stress e buscam tratamento alternativo". O meu, por enquanto, é ler um livro de auto-ajuda que me compara aos animais e sentar na área de serviço para comer mexirica e me sentir no sítio. Porque eu sou pobre e minha criatividade foi pro saco.
E, admito, está surtindo efeito. Agora vou aproveitar pra fazer meditação no ônibus.
Uruca em forma de sigla.

terça-feira

Dreaming

When I met you in the restaurant you could tell I was no debutante.
You asked me what's my pleasure, "A movie or a measure"?
I'll have a cup of tea and tell you of my dreaming
Dreaming is free
I don't want to live on charity
Pleasure's real or is it fantasy?

Reel to reel is living rarity
People stop and stare at me, we just walk on by; we just keep on dreaming
Feet feet: walking a two mile
Meet meet: meet me at the turnstile
I never met him, I'll never forget him
Dream dream: even for a little while
Dream dream: filling up an idle hour
Fade away, radiate
I sit by and watch the river flow
I sit by and watch the traffic go
Imagine something of your very own; something you can have and hold
I'd build a road in gold just to have some dreaming
Dreaming is free

Bem-vindo ao show de horrores da minha TPM.
E quem disse que Yasmin funcionava contra meus ataques furibundos pré-menstruais? É, Dra. Raquel, a senhora se enganou, porque eu não só ando irritada, como também perdi todo e qualquer bom-senso.
Aí ontem a TPM chegou e nem deu aviso prévio. Começou com uma tonturazinha, uma fraqueza, foi virando incômodo, deu em discussão besta, cara amarrada e chegou ao fundo do poço quando eu comecei a chorar com a novela. Sim, com a novela! Chorei feito uma vaca porque o Diogo voltou pra Luciana. Chorei porque o Doutor César pediu pra casar com a chata da Helena. Chorei porque a Queloidinha pode beijar o Marcello Anthony só porque é filha do autor. Mas, mais do que tudo, chorei por conta dos hormônios embaralhados, que andam me deixando em Reagan-mode (ghah!) e fazendo com que meus peitos pareçam bergamotas.
Apesar de tudo, descobri um lado bom: estou sem freios na língua. Hoje uma pequena discussão, aliada a uma boa colocação de argumentos fez com que eu sentasse no montinho de razão e olhasse para baixo com cara de "tomou?".
Mesmo assim, ando farta dessa tpm. Sugiro uma doação do meu útero a quem precisar, contanto que me devolva quando eu quiser ter "cria".

segunda-feira

Aubert do Sofrimento Impedido

Depois de enrolar por um mês e meio, sábado fui tirar o meu incômodo dente do siso. Note: apenas um dente, que não estava incluso, e pelo que o dentista avisou, ia ser uma operação bem tranqüila. E daí? Eu não ia deixar de sofrer de antemão, sendo quem eu sou.
No sábado de manhã eu já ensaiava uma aflição, e, ao subir no elevador para o consultório, já estava com o estômago contorcido. Deitei na cadeira já planejando uma fuga caso desistisse na última hora, e o dentista começou um processo hipnótico de abstração, o qual não foi lá tão bem-sucedido. Realmente, ele não nasceu para Seinfeld, mas eu, por educação, ri um pouco e acabei relaxando.
A extração não durou nem cinco minutos. Em pouco tempo eu estava suando frio na cadeira, lembrando dos barulhinhos do boticão arranhando o dente e ouvindo o doutor comparar a extração a um parto.
O pós-operatório foi ainda mais decepcionante. Apenas um dia de líquidos frios e sorvete à vontade. Tão rápido que nem deu tempo de provar o tentador milk shake de ovomaltine que o Miguel me prometeu. Comi papinha de criança porque quis, pois não foi nada necessário, e no domingo eu já estava atacando uma receita de carne óóótima.
Agora, quando alguém me perguntar se dói arrancar o siso, vou ter que dizer, com muito pesar, que não. Não dói, não existe sofrimento, não fica cicatriz. Só é chato.

Ah, e antes que Aldrovaldo Cantagalo venha me corrigir, é Aubert, sim. Piada interna indahouser.

sexta-feira

O dia em que a música chiclete brasileira causou um surto no meu vizinho

Alguém lembra da febre do P.O. Box? E da droga do "bun-chi-bum"? E das músicas monotemáticas do Claudinho & Buchecha? Agora, me digam: quem um dia não se irritou com a repetição exaustiva desses "hits" no rádio? Hoje cedo, descobri mais um feito maligno do pop-irritante da cantora Luka, o tal "Tô nem aí".
Era 7h12 da manhã, eu estava enrolando para acordar, quando ouço o vizinho de baixo proferir um alto, sonoro e ensandecido palavrão. Seguido veio um barulho de porta batendo e mais palavrão:
- Cadeeeeela, isso lá é hora? Isso, canta, vadia, canta!!!
Imaginei que fosse algum Marcos de plantão, dando suas raquetadas na esposa e pedindo para ela cantar, algo assim. Eu já desconfiava que a vizinha debaixo tomasse uns cacetes do marido, naquele apartamento só sai grito. Mas não. Miguel, muito enxerido, foi conferir. Eu fiquei no quarto, confesso, com medo de represálias. Aí que ouvimos:
- Isso, canta mesmo, tô nem aíííí, tô nem aííí. Sete horas da manhã, isso não é hora, cadela!
Era o homem do primeiro andar, na área de serviço, xingando (e bem) a mulher do segundo andar. Ela, muito provavelmente, estava cantando a maldita canção aos brados, logo cedo. E ele surtou, com todo o direito. Eu surtaria também.
Os lançamentos musicais mais recentes deviam vir com aqueles avisos como nos cigarrros. Imagine um cd da Wanessa Camargo, com uma tarja dizendo "O Ministério da Saúde adverte: cantar junto com a música por causar desgastes das cordas vocais" - o mesmo serviria para o KLB. Com certeza isso evitaria ataques maiores e menos pessoas seriam agredidas logo cedo.
Alguém comigo?

quarta-feira

Desisto. Prefiro montar uma militância anti-Macintosh do que ceder às exigências.
(Nossa, do jeito que escrevi pareceu até sério. Nem é.)
O negócio é o seguinte: sexta-feira passada chego no trabalho e me deparo com o meigo aviso do messenger - "Atualize essa porra ou senão acaba a mamata". Ok, atualizemos, pois. Mas claro que não deu certo, eu tinha que ter a versão 9.2.2 do Mac OS. Como não entendo patavina de sistema operacional, me dei por vencida e desinstalei o MSN.
Na segunda, o Paulo me avisa que tem como baixar o update, e assim o faço. Descubro, então, que para ter a versão 9.2.2 é necessário ter a 9.2.1, que eu obviamente não tenho. Então passei a terça toda tentando baixar essa joça. Na quarta cedo, feliz da vida e assessorada por pessoas "macintoshisticamente" experientes, tento finalmente instalar tudo e já aviso a todos do meu retorno às tardes de conversa fiada.
Se minha vida fosse um desenho, nessa hora tocaria um "fué fué fuéééin...". Claro, MAS É CLARO que não deu certo! Por que daria? Agora eu tenho que ir atrás de um CD de instalação, e eu já não sei explicar mais o por quê. Too much information, e, que eu lembre, sou redatora, não micreira.
Aaargh, que raiva! Tudo por causa de um maldito "device conversativo" que abriga os meus contatos mais interessantes, e acaba viciando.
Talvez eu deva mais é ouvir o que me foi dito: "desencana, quem sabe você fique mais produtiva".
Caaaapaz!