sábado

...'cause there's no place that I could be without you
it's too far to discard the life I once knew
honestly, all the weather storms are bringing
are just a picture of my dreams
'cause when I think of you as mine
and allow myself with time
to lead into the life we want
I feel loved, honestly...

quinta-feira

Sono-zumbi, mas o café está detestável. Hoje me apelidei de peru de Thanksgiving, dado o tanto que comi no almoço. E a mulherzinha petulante ainda me chamou de desperdiçadeira. Pff.
Protect me from what I want. Literal. Ou vou me arrepender grandemente, que eu sei.
As unhas estão descascando, uma coisa, o pé tem acerolinhas, e eu quero vestir rosa-de-bolinha-não-fuja-da-polícia. Pensa, pensa, pensa, e hoje tem dilúvio, academia e amigas. E eu tenho um saco cheio, mas eu estou virando a mestra da abstração, treinando cada dia mais para alcançar o nirvana, ou uma hérnia, o que vier primeiro.
Vou ali encharcar as sandálias, porque eu sou uma desprevenida.
Sim:
Bia, Aninha, Ana, Bee, Bi, Beatrish, Biazinha

No-no:
Bêa

Por Deus, tudo menos Bêa!
Prá ver como é fácil me tirar a atenção:

Saí do metrô apertadaça, com o xixi pelas tampas, achando que teria que parar no Mc Donald?s mais próximo, ou meu destino seria a implosão. Eis que vejo, no final da Av. Paulista, uma paisagem em vários tons de azul-acinzentado, com uma faixa branca dividindo aquele céu carregado de chuva. Pasmei, desacelerei o passo e assim segui, bocona aberta, até a minha rua. Quando dei por mim, estava quase tendo uma cistite instantânea por distração.
Mas valeu a pena.

terça-feira

Um texto feito a quatro mãos

Manifesto Pró-Infâmia

Por Bia Bonduki e Djoh Wakabara


Nós, dotados de humor sagaz, cultura afiada e tendência às cotoveladas no baço, exigimos o direito de sermos infames.
A infâmia, essa coisinha gostosa e quentinha que surge dentro de nós e explode, esse algo inerente ao ser humano, que nos lembra de nossa condição imperfeita.
A infâmia é um dom dado àqueles que vêm a Terra com o intuito de divertir o próximo, ou mesmo ser o alvo da ira humana, tomando tortadas e tomatadas ao proferir suas metáforas.
Fora a intelectualidade absoluta 24/7! Queremos o direito e a obrigação de relaxar e soltar infâmias, da mesma forma que o nosso sistema biológico nos faz soltar peidos!

Opiniões de quem "infamou" e gostou:

"Sou um infame que inflama na chama do riso vulgar do ser que só quer ser feliz. A minha infâmia vai desfilar no carnaval cheio de plumas burras e surdos tontos." – Arnaldo Antunes

"Quando eu compus a infâmia, Nelson Motta estava comigo" - Lulu Santos

"A infâmia é um negro belo que comanda o trio elétrico." – Caê

"Possuo, sim, um tanto de infâmia, coração. Uso para brigar com meu mulinho." - Ju Biscardi

"Infâmia? Nhé" - Eduardo Viveiros

"Infâmia parece nome de novela mexicana, né?" – Bob

"Infâmia? LARARARARARAUÊ-RÁ... LARARARARARARAUÊ-RÁ...." - Maria Rita

"Infâmia? Meu amor, olha bem pro tamanho da minha saia" - Elza Soares

"Ai... infâmia... (para assessora de imprensa) que que eu respondo? É muito difícil" - Wanessa Camargo

"Infâmia e eu? Estamos nos conhecendo." - Rico Mansur

"Num zei o que é infâmia. Purque vozê tá perguntando isso pra tchitchia?" - Monique Evans

"IH! Infame! Tchan!" - Tião Macalé

"Não sei de infâmia, vai, me come" - Alessandra Negrini

"Infâmia, eu cato geral" - Preta Gil
Modernidade, por Djoh Wakabara:

"Ai, eu acho engraçado fazer umas poesias dadaístas. É super ELLUS SECOND FLOOR"

domingo

Às vezes dá vontade de fazer disso um diário mais diário mesmo. Relatos.
Tipo agora:
Acabei de levantar, já li a Revista da Folha inteira e, se fosse um pouco menos preguiçosa, teria ido ao mercado sozinha. Acho que ainda prefiro esperar o Miguel acordar.
Ontem pregamos as cortinas, compramos um abajur com filtros coloridos, um lustre em forma de pac-man laranja, uma cúpula de lâmpada azul e um coração-luz de tomada. A casa começa a tomar cara de alguma coisa além de um amontoado de móveis que não combinam. Ainda tenho um móvel para transformar e um Himalaia de roupas para botar nas gavetas.
Hoje faz sol, a rua está vazia e eu incrivelmente escuto passarinhos. Acho que vou comprar frutas pra comer na área de serviço, sentadinha no parapeito, prá desgosto de mamãe (que com certeza vai comentar aqui dizendo "Você quer morrer, é?").
Foi bom jantar comida japonesa, se bem que não era aquela coisa e sim um mata-vontades. Foi bom também ver super cine com um olho só aberto, sem entender picas dos diálogos por causa do sono.
Bom, ele acordou. Vou lá.

quarta-feira

Mantra da semana:

EU NÃO POSSO SER CAGONA

repetir hoje, ao final do horário comercial.

terça-feira

Aeromoça, frentista, manicure, amiguinhos da irmã, costureira, estilista, colegas de trabalho...
Todos já me perguntaram o sentido de minhas novas tatuagens. Parece que tatuagem nova cheira.
Não sei porque me acostumo tão rápido. Foi pisar em São Paulo pra lembrar que grosseria existe.
Entro num ônibus para casa, mala de rodinha em mãos e fazendo o possível para não parecer turista. O cobrador olha minha nota de cinco, espera calmamente eu passar a bruaca por cima da catraca e faz não com a cabeça.
- Não o que, meu senhor? Não pode entrar de mala no ônibus? Não tem troco? - penso até que ele seja mudo.
Ele continua fazendo não, e aponta pra um papel que não é de ajuda alguma, pois fala da alteração da linha. Finalmente compreendo que ele não tinha troco, e volto, com o maior saco do mundo, a mala para o lado dos "não-pagantes".
Logo em seguida entra um homem, e o cobrador faz pior. "Tô sem troco, sentaí e espera!". Assim, fino, simpático, e não me venha com "você não sabe o motivo dele ser grosso assim".
Mudo ele não era, mas que tava pedindo pra ficar cego, tava.

segunda-feira

Filmes de infância vêm para mostrar que você definitivamente não precisa de terapia.
Floripa com chuva. Grande bosta, tá bom do meeesmo jeito. Tenho carinho, comida boa, preguiça e um sono infindável. Ontem ganhei presentes da loja de gente-simples e estou felicíssima. Amanhã vou no Sandrinho desenhar todos os vestidos caros que eu vi ultimamente, vou fazer barba-bigode-cabelo e beber no pede-um-ganha-outro com mamãe. Terça eu volto porque meu coração não é de gesso.

Ironias da vida: Ir no show de seu estimado cunhadinho e conhecer pessoas de fotolog, como o famoso e hilário Diogo.
E, claro, como eu sou velha, não agüentar a balada.

quarta-feira

Apesar do filtro-polianesco aplicado sobre as coisas - e que anda me fazendo um bem danado - as considerações andam sendo cada vez mais duras.
Se ontem eu olhei pro teto com um nó na garganta me perguntando se o caminho era esse, hoje as portas se abriram de um jeito não muito amistoso. Corte de empresa sempre vem pra dar a chacoalhada prá vida. Eu não fui na leva, mas não me dou muito mais tempo. Infelizmente meus queridos foram, e eu diria que injustamente. O dinheiro falou mais alto que os argumentos. Triste... O coração tá do tamanho de uma ameixa.
E eu continuo assistindo a seleção natural das coisas na minha vida. Se algumas coisas se vão, seja por algum motivo, que vão de uma vez. Não me questiono mais, laissez faire, laissez passer (é isso?). Às vezes algumas decisões chatas vêm pra bem, e é assim que eu quero seguir.
Ai, acho um saco ficar filosófica e não saber me explicar claramente. Hoje eu to super "dores do mundo" e achando tudo isso bacana. Sinal que eu penso.

terça-feira

Decidi não mais praguejar. A vontade é mais forte que eu, mas hei de cumprir o prometido. Mesmo por que, não tenho muito motivo.
Eu sou jogada na cama e tomo cócegas até começar a chorar de agonia, tenho duas tatuagens novas que doem pouquinho, para lembrar que estão ali, e ganhei cacarecos que me deixam fora de controle. Discotequei no sábado com uma amiga e fomos elogiadas, ouvindo de alguns que aquela foi a melhor festa do ano (?!), fiquei bêbada-bacaninha, coisa que há muito tempo não fazia, passei a tarde vendo meu menino jogar com meus amigos - aliás, me anima vê-lo fazendo merda com meus amigos, adouro! O sol brilha, eu vou pra Floripa, vou fazer piquenique e meu nome é Poliana. Minha sopa de cenoura ficou boa e hoje vou malhar, estou ouvindo Blondie bem alto e explicando pro Tulio o que é meia de lurex. Vou ganhar dois vestidos, tenho um gloss de uva e vou viajar de avião.
Bah, se eu reclamar de alguma coisa, vai ser do salário. Só.

segunda-feira

Get stoned! Drink wet cement!
Não sei se compensa
-x-
Medos infundados, decisões impulsivas. Devo tomar cuidado com o que desejo para mim.
-x-
Recebi um convite de muita responsabilidade, mas a tendência é responder que sim. Por que não? O intuito é doce.
-x-
Minha vontade de ir embora é inversamente proporcional ao meu salário.
-x-
Calem a boca, sim? Kings of Leon querem falar mais alto.
-x-
Podia durar uma eternidade.





sexta-feira

! ?
Amanhã é dia!
Era uma vez uma professora substituta de Literatura Americana, que leu um livro dito "pesado" para uma classe de adolescentes curiosos, pulando as piores partes, ou as mais sensatas. O livro era "Go Ask Alice", de autor anônimo.
De tanto mistério, passei 6 anos à procura do tal livro, e finalmente consegui comprá-lo pela Amazon, depois de encomendar em 800 sebos e livrarias.
Agora a empolgação é tanta que, milagre, estou lendo o livro no trajeto do ônibus. Nada me desgruda os olhos, nem mesmo a novela.
I'm happy and joyful and cheerful and elated as I have never been. Isn't it the best? (sim, já estou falando como a personagem principal)
Be gentle if you please
'Cause your hands are in my hair
But my heart is in your teeth.

quinta-feira



Faça a diplomática. Por mais patético que possa soar o termo "Beatriz discotecando", vá prestigiar. Afinal ainda tem a Gegé, a Tatá, a Mimi, a Marina, o Kdu, e muito mais pessoas tocando seus disquinhos e fazendo arte.

Se faltar, neguim tá fudido, cerrrto?

E é bom considerarem este o convite oficial, porque eu tô sem tempo de fazer follow up, seus sensíveis! :oP

quarta-feira

Quando um amigo se dispuser a ter dar - sem pedir absolutamente nada em troca - um site bacaninha, lembre-se sempre de algumas coisas:
1o. Peça sempre a senha e o login do site onde ele hospedou as imagens.
2o. ANOTE esses dados em algum lugar que vá lembrar.
3o. Tenha sempre um backup das imagens, caso o site resolva sumir do ar, para subí-las em algum outro servidor.

Caso contrário, o destino do seu blog é este: a "amarelidão". Eu tinha um blog bonitinho, agora tenho isso aí que vocês estão vendo. Sei que não custa pedir, e que talvez eu nem seja ouvida, mas aceito layouts bacaninhas de presente, sim.
Ou eu também posso fazer a moderna e dizer que é TUDO ter um blog cheio de imagens não carregadas, que representam o vazio do ser humano nas relações internéticas num paralelo com a procriação das salamandras.
Bleh.
Eu quero meu blog de volta.

EM TEMPO: O grande leitor-amigo-virtual-pessoa-bacaníssima Fábio Cavinato achou meus arquivinhos e agora é só montar tudo novamente, fazendo um belo bunda-lelê pro Kit.net. Estou feliz, mas ao mesmo tempo, até que estava gostando de ter um layout novo... :oP

terça-feira

Nesses dias de noites tardias, me encanta olhar o azul-ultra-escuro do céu das 20h. Um quase-negro que revela uma camada fina azulada, transparente, com estrelinhas cá e lá.

segunda-feira

Eu sei, eu sei, eu sei. Mas sabe quando parece que você entrou em uma fase nova, que não tem mais como voltar atrás? Foi assim que eu me senti. Porque a senha pra felicidade me foi dada, e o que eu fiz? Perdi. Tentei ir atrás, confesso. A vontade de ser especial era maior do que qualquer capacidade minha. Eu tentei, eu tentei, mas fracassei e agora me vejo um pouco perdida. Porque eu não quero ser "como sempre foi", eu quero ser "como nunca houve". Eu não vim pra ser mais uma, e acho que foi isso que sempre fez a diferença.
Sinto que perdi um pouco do encanto, e não sei se consigo retomar. Isso tá me doendo tanto.