quarta-feira

(Ozzy Osbourne entra mancando no Show da Vida de Bia e começa a cantar)
I'm gooooing thru changeeees

Eu só queria parar de ter pesadelos com a nova fase da minha vida.
E enjôo também.
Alô, mamãe, o Rio me fez parar de fumar!
Por mim eu ficava em o dia todo ouvindo músicas com palavrão e rebolando.
Meu dia foi um tédio cinza e fedido, e dia 8 parece que tá aí, na porta.
Este foi meu poema-antuniano.
Bia, escritora? Esse mundo tá perdido...

Se você acessar agora o site Leia Livro, ler a minha biografia e me mandar uma pergunta, junto com 3 tampas de margarina Ranço, você concorre à indescritível sensação de deixar uma amiga famosa (em termos) e feliz! Vamos lá, as dez primeiras perguntas serão respondidas antes das próximas dez, e você ainda ajuda a Fundação Juliana Biscardi de Tratamento ao Maluco a ganhar mais confiança perante ao chefe.
Pergunte o que quiser: signo, prato preferido, medidas... Fazendo a sua parte, você ajuda o Brasil a aumentar o número de leitores e ainda propaga a infâmia.

sexta-feira

Deu certo. Uma vela pra Santa.

Hoje à noite, Rio.

Cistite também veio, de presente. O descontrole tava aqui guardado na minha mornice, para aparecer vestido de Clóvis Bornay. Agora segura!

É isso, fui.

(meu mau-humor foi perceptível ou eu disfarcei bem?)

quarta-feira

Ricardo é um menino excepcional. Tanto de especial quanto de doente.
Hoje ele me manda uma mensagem, pedindo para olhar para trás e vê-lo se transformando para o horário de almoço.
Olho e ele me acena rodas de patins in-line, que ia encaixar nos sapatos especiais e sair na rua.
(Grilo Acme, por favor, uma ajuda aqui)
Cri...cri...cri...
Tia Cecília, acuda!

Ando tendo sonhos que pioram a cada noite. Fica cada vez mais difícil distinguir da realidade, e eu acabo passando as primeiras horas da manhã ainda chocada.
Nesta noite, sonhei que os adolescentes do prédio da frente tinham feito um protesto contra a vida infeliz que levavam, e convocavam os jovens do meu prédio a fazer um suicídio em massa. Olhei pela janela, e eles se jogavam do prédio, aos montes, um ajudando o outro a se soltar do peitoral. Quando fui descer de elevador, li o cartaz. Eles pediam para que todos usassem roupas coloridas, perucas e que convencessem o maior número de amigos a se matar. Tinha até um depoimento de uma menina, mãe adolescente, que pularia com o filho, para se livrar do pai violento. A Renata do Rio estava em casa com a Aline, e foi uma das primeiras a aderir. Botou um vestido igual ao das "suicide girls", uma peruca ruiva e se mandou. Aline ficou em casa, convicta de que não precisava disso. Uma hora fui tomar banho na laje do prédio, fazendo as portas de emergência como box (?) e vi uma multidão que aumentava a cada minuto, despencando. Helicópteros, TV, polícia, ambulâncias, todo mundo em volta, sem fazer nada.
Acordei e, confesso, a primeira coisa que fiz foi olhar da janela se tinha algum corpinho tombado na sarjeta.

No almoço, depois da conta paga, levantei para fumar um cigarro na área permitida. O maitre veio puxar assunto comigo:
- Os garçons 'tão achando que a senhora é do Big Brother…
- Eu? De qual? – já suspeitava o por quê.
- Do primeiro. A senhora é a Estela?
- Aaai, Cristo, eu já devia saber. Não, não sou a Estela.
- Estela quem? – perguntou o Lula, o menino-sem-televisão
- Ah, moço, aquela de cabelo curto que era meia maluca. Mas, olha, eu achei a senhora bem mais bonita que ela, tá?
- Ah, ‘brigada.. – pensando "Well, duh! É bom que ache mesmo!"

Se alguém um dia vier comentar que eu pareço algum famoso decente, juro que até dou autógrafo!

terça-feira

Quando estou feliz, faço tranças. Agora, com o cabelo curto, moicanos ajudam.

Não disfarço o nervosismo. Me viu lascar as unhas, é batata que estou preocupada.

Adoro saias no joelho, com sapatos baixos e batatinhas da perna redondinhas. Cheguei a ir com a cara de uma professora por causa disso.

Veja antes que acabe.

Onde fica Brodówski, mesmo? Eu juro que sabia.

- O meu é tímido, o dele é ganancioso, e o seu?
- O meu é caseiro.


sexta-feira

Vai dar certo. Ah, vai.

-x-

Hoje comi sushi na Besta, por apenas R$7.80, refrigerante incluso. Fica numa pracinha aqui perto da Quintana, e se chama Kyodai, na verdade. Se você é mais um triste corporativo berrínico que come em restaurantes caros, é uma opção (sim, é limpinho, feito na hora e faz entrega).

-x-

A Ju Maria me deu uma bolsinha vermelha liiinda. Porque perua é meu nome do meio e eu estou adorando ser apoiada no movimento.

-x-

Beu dariz dão ezdá golaborando gobigo.

quarta-feira

Eat. Drink. Love.
Lista de favoritos, em breve grudada na pele.
É porque pra mim, antes de tudo, vem a comida. Depois, a água gelada na sede ou mesmo as bolhinhas da Coca-Cola entrando no nariz – cerveja, hein? Cri cri cri… E amor, que é a sensação mais gostosa do mundo, desde que você esteja sem fome e bem hidratada. O amor me faz empilhar 700 elefantes em uma só declaração. :o)

Shelley, isto é só licença poética
Ontem um velhinho parou do meu lado, ficou analisando minha roupa e soltou:
- Gostei.
Algo me diz que ele já trabalhou com moda.

--x--

A frase da semana é:
"Laurinha, calce bem esses tamanquinhos".

--x--

Dizem por aí que meus peitos vão passear em BH.

--x--

Sexta-feira eu animarei uma festa 50's. Fear me. Vou tocar a noite toda, nos cumpleaños de Jaspion e Luciane.

domingo

Está me deixando louca essa falta de vontade prá tudo. Cheguei ao cúmulo hoje, quando tive preguiça de preparar um pão com manteiga mesmo estando com fome. Não crio mais, não cozinho, não arrumo a casa, não malho, não leio, não saio, não faço mais porra nenhuma que não seja jogar game boy e ver TV até meu cérebro parar. As idéias continuam povoando a cabeça, mas ficam só em pensamento. Tantos projetos, vontade zero. "Respeite seu corpo". Sim, e depois fico neurótica. É como se eu tivesse uma gêmea siamesa, que quer sair fazendo tudo por aí e eu a seguro no lugar.
Atitude número um: vou lá preparar meu pão. O resto eu decido outra hora.

sexta-feira

Distractions
Zero 7

Fancy a big house
Some kids and a horse
I can not quite, but nearly
Guarantee, a divorce
I think that I love you
I think that I do
So go on mister, make Miss me Mrs. you.
I love you, I love you, I love you, I do
I only make jokes to distract myself
From the truth, from the truth.
Fancy a fast car
A bag full of loot
I can nearly guarantee
You'll end up with the boot
I love you, I love you, I love you , I do
I only make jokes to distract myself
From the truth, from the truth.
I love you, I love you, I love you , I do
I only make jokes to distract myself
From the truth, from the truth.
Este é o nosso Jorge!

- Meu mouse vai me deixar LOUCA!
- Mouse é o apelido do Miguel?
- HAHAHAHAHHAHAHAHA, meu Miguel Mouse?! Não!
- É muito frase de gente casada: ai, fulano vai me deixar LOUCA!

quarta-feira

Saltimbanco Duets
by Luiz Coradazzi, sua imaginação e a minha desocupação


Eu joguei pedra na cruz? says:
dóoooooorme a cidade
ré-sta um coraçãaaaao

Hilda Hilst's Flying Circus says:
Mister Idoso
Faz uma punção

Eu joguei pedra na cruz? says:
Só leva arrego
Lava meio-dia

Hilda Hilst's Flying Circus says:
sim, ela mente
dolares na mente

Eu joguei pedra na cruz? says:
dou sim a rúcula
sim lentilhosa

Hilda Hilst's Flying Circus says:
lá tem defeito

Eu joguei pedra na cruz? says:
sol ta no espaço

Hilda Hilst's Flying Circus says:
fase Teresa
mina-cação

Eu joguei pedra na cruz? says:
Ré está sem luz

Hilda Hilst's Flying Circus says:
wonder, dorme, meu irmão
"Por que a Bia atravessou a rua?
- Porque tinha um primo do outro lado."


Depois de alguns anos ouvindo e tentando comprovar esta ladainha, hoje finalmente transformei em teoria o meu distúrbio da parentalidade nacionalmente espalhada.
Ontem, Gegé me contou que havia um tatuiano trabalhando com ela. Disse que o nome era Fábio, e que era "das antigas". Perguntei se ele era um liiiindo moreno alto e ela disse que não. Portanto, não era quem eu pensava. O resto da conversa segue abaixo:
- Gé, tô curiosa, me manda uma foto do tal Fábio.
- Pega no site! Tem lá nas notas.
- Aqui não abre. Vai, tô muito curiosa, manda!
- "texto texto texto texto Fábio M. faz aniversário texto texto texto".
- Gé... ele é meu primo.
- NÃO!
- É sim, Gé. A mãe dele é prima da minha avó. Ele é irmão do fulano, que trabalha na XPTO tralalá.
- NÃONÃONÃONÃO! Eu tô ouvindo a musiquinha da twilight zone! De novo não!
- Mas éééé!
- Bia, não acredito. Não acreditooooo. Você tem primo em tudo quanto é lugar!
- Mas vai lá perguntar, fala que eu sou neta da Cidinha!

C.Q.D.: Sim, minha família é pequena, porém muito bem distribuída. De estúdios HB a sites de revista, passando pela câmara dos vereadores.
Agora não duvidem de mim quando eu disser "é meu priiiimo!".

segunda-feira

23 anos
Diz a lenda valinhense que, ao final do inferno astral, a libertação de Ivan Lins é complicada e dolorosa. Resulta em enxaquecas infernais, crises de choro, correria, e felicidade ao lado de mamã.
A noite será de Jelly hits & shots, e eu espero sorrir com mais rugas amanhã.