sexta-feira

Aaaaaaah a sexta-feira ficando infestada de mariposas dançantes!
A casa vai vagar, eu mudo em seguida, "massari" chegando, telefone tocando, ai senhor, será que eu dou conta?
Dou sim, porra! São 3 anos na fila, por favor, passinho à frente!

quinta-feira

Tenho sonhado muito com hotéis, viagens, roupas novas, família e estampas. Tudo muito confortável, compacto, recorrente.
O ruim é acordar e não estar vestindo uma saia rodada com sapatilhas de bico fino, aimmmm...
Estranha essa vida possessiva de quem não tem posses.
Medir forças realmente não é comigo. A preguiça grita nessa hora, e nada que um "tá, vai" não resolva.
Yaawn...
Tá bom, eu vou à merda e não reclamo.
Mas... deixa, vai?

quarta-feira

A Fantástica Fábrica de Fazer Merda - um espetáculo off-Broadway
 
O palco está lindo, iluminado, o cenário colorido espera a entrada das mais belas dançarinas, cheias de plumas e muito brilho. Elas vão apresentar a coreografia há muito ensaiada, com movimentos sincronizados e com um sorriso constante no rosto. O apresentador anuncia o espetáculo, os tambores rufam...
[PAUSA]
Isso seria no mundo que eu queria viver. Mas o mundo real é meu, então o show segue assim:
[/PAUSA]
... e graciosos orangotangos adentram o local, recém-saídos de uma bela xepa, carregando laranjas espremidas, tomates mofados, pés de alface murchos, cocô de cavalo, chorume, e jogam tudo na platéia. Os ventiladores rebatem a merda atirada, os espectadores sujos se entreolham indignados. As instalações elétricas dão curto, a coxia pega fogo e o caos se instaura no que era prá ser bonito e calmo.
Óbvio para mim, por que ia ser diferente?

domingo

Exercitei meu lado "tia legal" com o pequeno pândego neste sábado. Se ele parasse de gritar e desarrumar as mesas, ia no Mc Donald's. Promessa é dívida, ainda mais quando se trata de criança, então toca eu ir lá no parquinho e tentar me conter da aflição de ver aquele bando de crianças se esborrachando no chão e levantando na boa. Comprei lanche, segurei sapato, dei tchauzinho para cima enquanto ele passava engatinhando nos tubos e, surpreendentemente, não tive problemas na hora de dizer "deu, vambora". Acho que a doçura é herança. Claro que, como recompensa, eu ganhei uma buzzlightyearzada no joelho, mas eu entendo isso como demonstração de carinho. Prova de que eu não sou a banana que penso ser quando cercada de pimpolhos.
 

Pipa e seu sorvete de picanha
Deixa de lado os Vídeos Incríveis e as aflições causadas, toma esse copo d'água e entra debaixo do rolo compressor. Algumas posições de ioga para deslocar a coluna, vinho tinto e a trilha que eu queria, e no fim enjoei. Fica acordada até não saber que horas, pega no sono sem se lembrar de nada, fica sem freio na língua e muito menos nos ouvidos. Joga no lixo a suspeita, tasca um foda-se nas infantilidades alheias e se contorce de preguiça no chão, afinal, amanhã você não precisa fazer nada além de descansar. Como coach, o resultado foi bom. É fato que minhas costas estão em frangalhos e minha cabeça dói horrores. Mas um sábado caseiro pode valer mais que oitocentas festas.

quinta-feira

Carinho. Sou que nem cachorro: me coça a cabeça e eu esqueço que você não me deu ração.
 
*
 
Hoje me peguei odiando todas as compradoras da Club Chocolat. O que eu fui fazer lá, então? Experimentar uma calça da Gang, para ter a bunda em pé.
 
*
 
Eu sou uma pessoa que passa 5 minutos tentando colocar o casaco, enquanto se enrosca nas blusas debaixo, no maço de cigarro e na própria falta de coordenação. Eu me amo.

terça-feira

Eu prometo não mais reclamar, enquanto eu tiver
- pães-de-mel à minha espera
- bom-dias preguiçosos
- mamutes saindo das costas
- vontades extremamente sinceras
- nenhum freio na língua prá falar merda - fazer a filha-princesa definitivamente é um sonho que mamãe deve deixar de lado
- um colchão estendido na sala e jazz no aparelho de som
- comidinhas ótimas - voltei a praticar as 3 refeições diárias
- planos decorativos a mil
- meu nêgo no quarto ao lado, abusado
 
Mentira, eu vou reclamar de frio, da vida de ciganinha, do pouco sono, da falta de vontade para fazer mudança, do preço da cama de casal, da preguiça da terapia.
Mas a tia Pollyana ensinou a ver o lado bom. O lado ruim já é default.

segunda-feira

Gui foi um cara que, do pouco que conversamos, me ensinou um tanto. E uma das coisas que ele me disse, era "questionar é bom". E de fato é.
Analisando com calma, chego à medida ideal para não foder tudo como sempre.
Às vezes eu sou um ser pensante.

domingo

Essa noite tive um sonho estranhíssimo, que envolvia caos urbano, tiroteios, eu fazendo uma dublê de filme de ação, choros compulsivos, Ryan-gordinho lançando um DVD, minha cachorra Brenda e o quarto 205 do hotel Auto Tour. Tinha também meu pai solteiro, nuvens estranhas, vídeos de infância, conversas em inglês, ambientes modernos e únicos para um sonho.
Acordei com minha mãe no telefone, nenhuma lágrima no rosto e um inglês enferrujado, fora a dúvida se minha cachorra ainda é viva. (chuif!)
E eu devo isso à minha privação alcoólica! Se eu bebesse, pelo menos eu ia sonhar que estava gargalhando e "considerando as pessoas prá caramba".

sexta-feira

Aí o dia começa que é uma maravilha, e a primeira notícia que vem já é uma bosta. Você engole em seco e tenta não dar tanta importância para algo tão pequeno e suficientemente resolvido. Sai prá almoçar um lanche rápido (e inacreditavelmente delicioso) e vai olhar ofertas. Saldos Jaques salvam o dia de qualquer mulher de menos posse. Descem você, o celular sem bateria e a sacolinha de prástico, catitas que só pela Augusta. Pára na esquina, sobe no prédio e grita. Sua futura moradia é tudo aquilo que você sonhou, e a sua nova companhia é daquelas pessoas que você sonha dividir um teto. Grita mais, porque uma boa alma vai te ceder mobílias chiquérrimas e necessárias. Tudo toma seu lugar em instantes, você não vai mais precisar da disponibilidade alheia para fazer o que precisa, nem vai gastar dinheiro em festas porque tem ótimos contatos profissionais, e vai se dedicar a isso no fim de semana.
Que eu reclamo demais, é fato. Mas que minha santa merece um caminhão de flores e orações, merece! Tudo o que me faltava há questão de horas, está nas minhas mãos agora.
Longe de mim ficar fazendo fusquinha, mas, porra, eu sou foda, aí!

quinta-feira

Latest news on sorry me

saí com a dani e seu marido, e descobri mais duas pessoas interessantíssimas nesse mundo. * estou homeless de novo * porém, o sorriso permanece e aumenta nas palavras do dia-a-dia * eu nunca deixei de dizer que eu era a fazmerdinha da estrela * eu sou um celular com a memória cheia, só que sem bateria * terapia? sono, muito sono * meu nego e eu sob o mesmo teto, em agosto. ashcundêgundêgundá * no que depender de mim e da brima sylvie, eu vou fazer sucesso * eu preciso de um pouco de mato * o resto tem vindo a mim pouco a pouco.

segunda-feira

My prrrecious

Quando eu tinha meus 13 anos, descobri uma relíquia da família Donati em poder da minha mãe. Era um anel da minha bisavó Rosa, de ouro trabalhado, com uma ametista no meio. Pedi, pedi e pedi, e finalmente minha mãe cedeu a jóia para meu uso.
Passei a usar todos os dias: na escola, na natação, prá sair, prá ficar em casa, só tirava para tomar banho. O que me encantava naquele anel é que, não importava a ocasião, ele era sempre especial e não me cansava a vista, nem me enjoava, nada.
E eu descobri que tenho uma amiga assim. A qualquer hora, ela é sempre bem-vinda. Seja prá festas, papos via e-mail, para dormir na mesma cama me consolando, prá ser cúmplice na glutonice. Ela é boa para tudo, e sua presença é incansável.
Menina, você me fez um bem enorme neste feriado. E em todas as outras vezes que eu tive você por perto.

domingo

Nice advice, alrite!

Dance Song 97
Sleater Kinney

well you know there ain't no doubt
when the feeling finds you out
you know you can try to run
i tell you it still will come

when you feel your body shake
trip and fall you can't walk straight
baby then you know it's done
you can feel your heart is stung

well you can try to keep it down
try not to let the words come out
but i tell you it's no use
in your eyes they see right through

if you're going way too hard
if you're feeling way too much
but inside you can't stop
desire she eats you up

sábado

Podia ser complicado, dolorido, infindável, chato, constrangedor, tedioso, dramático, irônico, sofrido.
E tinha a opção de ser tudo isso de forma mais leve. Porque nem todo aprendizado precisa ser traumático, tampouco devastador. Eu tenho a opção de chorar enclausurada, e tenho a opção de ir atrás do que me diverte, me distrai. E eu posso alterná-las. Se eu choro agora, sinto falta e tento não me sabotar, é porque quero a honestidade comigo mesma. E se eu tocar em frente, é porque me dói cada vez menos, a ponto de não lembrar.
O importante é eu passar por cada alto e baixo disso tudo e sair melhor. Não importam as cicatrizes, os remendos, os petardos que escuto. Isso tudo é parte de mais uma revolução que enfrento. E fraquejar é perfeitamente aceitável, mesmo que eu não queira.

terça-feira



Tá na balada e não sabe o nome da música? Já arrancou a franja tentando lembrar quem cantava tal hit?
A solução está aqui! Who Cares é a banda do momento, onipresente nas baladas do mundo todo!
"Quem canta aquela música?
WHO CARES?"
Confira os novos hits nas melhores casas noturnas e botecos!

segunda-feira





Loop mental

Forgotten Boys - "Cummon"

Lady, just because
It's so easy baby
I'm gonna give you once
Once, and one time only

Do you think you're ready
Don't call me rock steady
Call me cold heart breaker
Breakin' just for fun

Do you really wanna bang it all tonight
Oh yeah, oh yeah, oh yeah yeah yeah
Do you really wanna lose your mind for good
You say you're pretty young, but
It's too late, so let's go on and on

Cummon... cummon
Cummon over me



Ainda bem que tem show na quarta. Groupie é o caralho, só a música que tá grudada na cabeça.
- A senhora vai pedir o quê?
- Hmm... Traz um mistério-na-cobertura-com-visão-ampla-para-um-postal-da-cidade, por favor.
- Acompanhamentos?
- Pizza de alho poró e chá de hortelã, que eu estou enjoada.

E cócegas. E aperto, muito aperto. E um tanto de Roberto Carlos, o rei e o jogador.

quinta-feira

Praticidade é a palavra de ordem nesse recomeço. Doer menos, raciocinar mais (e como!). Gargalhar até ficar com dor no abdômen (aquele que tá tabuinha porque desisti da prática da refeição), ouvir conversas alheias na mesa do bar, acordar e pegar o utensílio de alívio (por Deus, não agüento mais!), deitar com a Isaura e bater longos papos com a doce cadela e sua agridoce dona.

Agora, cantemos enquanto ainda dói - tá pensando o que, que passa assim?

I would go out tonight
But I haven't got a stitch to wear
This man said "it's gruesome
That someone so handsome should care"

La, la-la, la-la, la-la, this charming man ...
Oh, la-la, la-la, la-la, this charming man ...

--x--

Half past 9, quarter to ten
10:15, and we're coming around again
hold off, are we going soft?
Flushed my Zoloft, and we're coming around again
Found out, and I almost drowned
Walked back down, and we're coming around again

If I could talk I'd tell you
If I could smile I'd let you know
You are far and away
My most imaginary friend

--x--

E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mais nem porquê

--x--

Where do all the secrets live
They travel in the air
You can smell them when they burn
They travel
Those who say the past is not dead
Stop and smell the smoke

--x?

The world won't turn until something breaks
Who will make the first last mistake?
They say that good things come to those who wait
Into the spiral, your world and my world, it's never final
Love just leaves you bruised