terça-feira

Retard Rap

E a pesquisa desta última semana, feita por tia Cecília, é sobre a minha possível DDA. Aham, aham, distúrbio do déficit de atenção. Eu podia jurar que era característica de signo, coisa de família, autismo, praga de tia véia, qualquer coisa, mas vou ter que fazer exames em breve para comprovar se eu tenho isso ou não.
O interessante foi que a Cecília não considerou DDA de imediato: ela acha que é o foda-se ligado.
(...)
Como se eu fosse capaz de uma peripécia dessas, né?! Pois é, ao que tudo indica, eu sou e bastante. Que alívio descobrir uma possibilidade dessas, achei que esse botão não viesse de fábrica, e que só os emocionalmente superiores conseguiam adquirir tal dádiva. O problema agora é desligar, ou sei lá, moderar o uso, porque minha atenção foi comprar cigarros e não voltou.
Será que é por isso que eu pinguei meu óleo essencial prá dor de cabeça no lugar do Rivotril? E que eu guardei a louça do café dentro da geladeira a vida inteira? E que... Não, isso é retardamento mesmo.

segunda-feira

Distúrbios do sono - parte 5

Mitsu diz:
sério? aí vc ficou fazendo o que?? faxina?? chuveirinho?? atacou o digo Dancer?
Sleep Beating diz:
hahahahahahahahahahahhahahaha
não, fui dormir e ter pesadelos
se vc pudesse ver meus pesadelos, ia morrer de rir

Mitsu diz:
pesadelos?? eu ia rir?? que horror, vc deve me achar uma pessoa maléfica
Sleep Beating diz:
não, meus pesadelos são ridículos. o de hoje era assim: o pai da minha amiga, que é um maluco, me perseguia, cada vez vestido de uma coisa, bruxa, vampiro, negão, Marcelo Tas, velhinho... Aí, tinha a Britney do bem e a Britney do mal. Uma tinha olhos azuis e parecia a Barbie. Elas voavam e davam chutes no velho. enqto isso, eu comia pão na chapa num fast food de café da manhã com minha irmã. ah, e eu tinha feito compras, e a minha ex-cunhada me deixava num ponto de ônibus da brigadeiro, e eu ia perdendo as sacolas de medo dos "elementos" do busão.


Notem que meu nick é Sleep Beating, porque hoje eu acordei com a sensação de ter quebrado o maxilar de novo, fora a dor nas costas, cotovelo, abdôme etc.. Eu ainda vou acordar e descobrir QUEM me bate durante a noite!

sábado

Eu ainda pego os palhaços que tocam Take 5 perto de mesinhas de dois.
You and me are the disease and the germs are spreading
Use me like listerine, keeping your breath fresher
Feel the stroke of your paintbrush, my blank sheet of paper
I'm your book of the month, read the fine print later

We'll invent new four letter words
You are the bitter, I am the sweet
Run through the fields, sing with the birds
You are the griddle, I am the meat

I'll turn you on like the electric company
You are the bitter, I am the sweet
Flick on the switch and light your pilot light
You are the griddle, I am the meat


We'll laugh away our golden years
You are the bitter, I am the sweet
We'll line the clouds with silver tears
You are the griddle, I am the meat

You and me are the disease and the germs are spreading
Use me like listerine, keeping your breath fresher
Feel the stroke of your paintbrush, my blank sheet of paper
I'm your book of the month, read the fine print later

You are the griddle, I am the meat
You are the trick, I am the treat
You are the circus, I am the freak

quinta-feira

Ninguém pediu, mas tô falando

1.
Ontem eu fui parar na Santa Casa ontem com intoxicação alimentar. TCHARAN! Ah, fazia um ano que eu não ia parar no hospital por causa do estômago, então me deixa ficar orgulhosa. E desta vez foi ainda mais incrível: desmaiei cinco vezes, fiz a Linda Blergh e fui mimada até não poder mais. Descobri que tenho um roommate que é a coisa mais linda e preocupada do mundo. E o outro elemento mimativo, bem, eu não podia esperar outra coisa que não sopinhas e gibis da Turma da Mônica. :) Apesar de fraca e dependente de Gatorade, estou feliz.

2.
Dia desses apareceu uma neném aqui no trabalho que era a coisa mais "galante" do mundo. Gordinha, olhos acinzentados, toda de rosa e com aquelas mãozinhas que grudam no seu dedo e não soltam. Não resisti, e fiquei com a fofa no colo até a mãe dela vir buscar. Perguntei o nome e a mãe, com a maior cara de cu, respondeu: Iasha... Meu marido foi fazê o rezistro e saiu errado, era prá ela chamar Aisha.
E fez-se o silêncio constrangido.

3.
E eu admito que cansei de algumas coisas, de máscaras e de atenção mendigada. Fazer a linha "não sou obrigada" tem sido ótimo.

segunda-feira

Neste fim-de-semana eu tive uma pequena amostra do que eu quero e preciso.
Começou com Take 5 tocado por palhaços numa esquina dos Jardins, teve festa e Ana Laura (e Jorge+Du, antes que eles me xinguem) e sono às 6 da matina. Aí no sábado eu resolvi umas coisas da casa nova, tomei sol na varanda com Renatinha e cerveja escura, almocei saladinha, fui ao cinema, tomei cafezin, conheci mais um cliente e morri de calor na FunHouse - Cerquilho.
Domingo almocei em boteco, vi o monstro bigodudo metrossexual, chorei do trailler aos créditos com "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças" e terminei a noite comendo creme de frango no pão italiano e pavê de morango da Dona Maria do Carmo, cozinheira excelente e mãe de Carlos.
Dormi cedo, e bem. Ah, sim, e hoje comi tostex olhando a Augusta amanhecer.
Eu estou tão bem-humorada que chego a dar ânsia.

sexta-feira

É difícil viver o que eu já previa, sentir a falta de algumas coisas e me enjoar de outras. De repente, as certezas que eu tinha se resumiram a uma só - que de tão improvável, ficou gostoso me iludir com a possibilidade.
O que mata é ter que trombar com as decisões feitas por mim (no sentido de decidirem), quando eu nem pedi e nem quero cumprir. Cobrança, a esta altura do campeonato? A minha parte em dinheiro, por favor.
É a paga, é o que eu mereço por ser uma egoísta muito bem disfarçada, achar que "ai, a vida me dá tantas opções" e sobrar com a pior. É por eu estipular parâmentros de "aceitável" e "reprovável", e na hora da aflição, correr pro abraço do segundo.
Meu saco tá tão cheio que mais um pouco eu pego uma mala e me mando prá Honolulu, ou Cesário Lange, o que for mais barato.

quarta-feira

e o bobo diz:

hahaha... to que nem o cara do filme "Um lugar chamado Notting Hill",
e a música pra vc é SHE heheh (do filme tb)


o bobo sabe fazer a gente feliz.

terça-feira

Idiota não tem tédio

O mais engraçado do meu dia foi convencer parte da minha lista de msn a mudar seu nick para Nome+ângela(o) e depois fazer uma reunião para agradecer a todos que acreditaram no meu poder de persuasão.
Definitivamente, minha auto-estima anda pedindo esmola.

segunda-feira

Cadê a paciência que tava aqui?
O gato comeu.
Cadê o gato?
Mandei pastar.
Cadê o pasto?
A gafanhota roeu.
Cadê a gafanhota?
Sei lá, não enche!

-x-

Se eu fosse famosa, sairia na Caras com a seguinte citação:
"Aqui na Ilha da Al. Itu, posso refletir os eventos de minha vida e dizer, com toda a certeza do mundo, que nunca fui tão feliz assim, sozinha, eu e meus assessores. E o plano de ter filhos foi adiado, para não abrir concorrência com as barrigas da vez."

-x-

Eu sabia que havia herdado uma porção muié-do-buraco de minha tia Dora. E nele vou permanecer, enterrada até a cabeça, feliz, vendo desenho e comendo empadinhas Rocha.

sexta-feira

Vai, diz que é superstição!

Acordei às 7h para esperar empregada - que chegou às 8h - e computador, que não veio. Aí chegou a empregada, cheia de vontades, fez mil exigências e simplesmente não parou de falar. Desci atrasada para o trabalho, tropeçando nos sapatos, em jejum (porque se eu ouvisse mais uma palavra da dona eu enfiava o prato goela abaixo), sonada e descubro que, tcharans, esqueci meus óculos. E pior, nem sei onde. De noite, tem Festa do Sal Grosso e meu set list está todo errado e eu não vou ter tempo de arrumar.
Coincidentemente, hoje é sexta-feira 13. Coincidentemente, eu estou de TPM. Coincidentemente, minha jornada de alma caridosa hoje se estende ad infinitum.
Mãe, deixa eu soltar um palavrão?

terça-feira

Eu detesto ano de eleição por uma simples questão:

- Você é parente do Nabil Bonduki?

Sou, Cristo, ele é filho do tio Gabriel, que é primo do meu avô. Prá esse tipo de pergunta não me ocorrer no trabalho, fiz isso:

Não dá prá ver, mas tem um post it dizendo "É meu tio, sim!". Claro, me mandaram tirar, mas agora a vontade é fazer disso uma camiseta. Pudera, o tal colocou propaganda em todo poste de São Paulo!
Se você não quer me ver irritada, não me pergunte do parentesco, por favor.
(e, nem venha, engraçadinho: perguntar nos comments gera castração)
Latest news on sappy-happy me

* Eu tenho casa, ah, e como tenho! Sim, na verdade o quarto é minha maior propriedade, mas ele é tão grande que eu vou fazer um projeto "Dê teto a um mendigo" e juntar os dorme-sujos em casa.
* A festa de inauguração foi O acontecimento, com basfonds saindo pelo ladrão. Eu não estava envolvida em nenhum deles. Não diretamente. ;o)
* Estou dormindo muito bem. Morar a uma quadra do trabalho é certeza de dormir além da conta.
* Eu nunca dei conta de tantas caixas em tão pouco tempo. Faltam 5. Uh!
* Cena: eu na boléia do caminhão de mudança, entre três peões, fazendo jóia para meu ex, que passeava na Augusta.
* Sabe que eu acredito em "Terapia do Abraço"?
* Feliz e ponto final.

quinta-feira

Estou tentando emergir do poço.
Peço a gentileza de não ter minha cabeça pisada.

terça-feira

E no fim do dia, o Oscar quase me mata de rir contando que viu um mendigo-prá-presente:

lábiOSCARnudos diz:
um que andava com um lacinho na cabeça e com o semblante de quem ia se entregar.


Sabe quando você ri tanto que começa a miar ao explicar a piada? Saca a cena.
- Aí, Fabiiiim, ele faluuuuu que o men'i'o tava imbrulhaaaaaa'o prff'a presenteuahahahaha!

Ah, dói minha barriga, droga!

segunda-feira

Do que a gente não agüenta mais ouvir:
Mulheres reclamando que falta homem.

Foi-se a época que ler 02 neurônio e se convencer de que é mulher-superior era legal. Aliás, essa época durou bem pouco, porque logo as mulheres dotadas de 03 ou mais neurônios sacaram que isso era um atestado oficial de recalque. Infelizmente, as que possuem a quantidade abaixo da média resolveram bater na mesma tecla e agora somos bombardeados com programas, livros, debates, filmes, tudo sobre "a falta de homem no mercado".
Agora me diz qual a vantagem de ser "muher-superior", se é ficar uma noite sozinha prá sair resmungando que homem não presta? Aliás, qual a ligação entre essas duas atitudes? Tenha a sacrossanta paciência. Ou melhor, "fala sééério, vamo combiná?".
Quem agüenta Heloisa Perrissé em pleno domingo à noite, saindo na mão com a sidekick por causa de um pedreiro? E a Marina Person dando seus conselhinhos-recalque para as Meninas Veneno? "Áái, amigáá, você tem que dar uma prensa nesse cara ou vocês não cáá-sam". Pfff, será que eu nasci homem prá não ter paciência com isso?
Mas, vejam bem, não pago de coração gelado. Eu sofro por amor, sim, eu me descabelo, faço a Maysa, acho que algun homens mereciam uma tora no cu fácil, juro que vou virar lésbica e tudo mais. MAS EU NÃO VIVO DISSO, SACO. Eu não quero dar ibope prá esse tipo de reclamação frouxa, porque é atestar incompetência e falta do que pensar em documento timbrado.
Mulher, faça sua parte: não tem homem, manda o vibrador. De bico calado, de preferência. E se não tiver vibrador, vai passar um café, poooor favor.
E vamos falar um pouco do novo terror de sábado: o programa da Ególatra Gil.
Toda menina que cresceu sob a vigia de tia Xuxa e suas clones louras sonhou alguma vez em ter seu próprio programa. Eu confesso que sonhava com um palco instalado no campinho de vôlei de casa, e eu entrando triunfante com a minha melhor roupa da Pakalolo, para apresentar um show só meu, só sobre mim.
Já a dona Marlene super levou a idéia a sério e presenteou Pretinha com um espetáculo sobre a mesma, desnecessário como a tal. Então ela entra se achando a Beyoncé, dança com as Pretetes ao som de um hit próprio, chora com a lembrança de quem já passou pelo palco dela e recebe a bênção de tio Caê. Não satisfeita, ela intercala suas atrações com comentários sobre a umidade do seu órgão preto-sexual, ataques histéricos de felicidade e aquela demagogia toda, de quem deixa de lado o sobrenome para passar uma imagem de pobre e mal-nutrida, e conseguiu seu lugar na mídia à base de muita luta.
É hora de repetir:



Passei o fim-de-semana escrevendo mentalmente, e não consegui passar para o papel, ou prá tela, o que fosse. Concluí que preciso ainda purgar essa dor minúscula que ainda é latente, nem que seja com um choro mequetrefe que soa fingido. Alivia aos poucos.
E eu podia contar com a coragem e franqueza alheia, para deixar de lado mais uma pequenez da vida. Porque, infelizmente, eu ainda não aprendi a não me importar. Covardia nessas horas é do que eu menos preciso. Comigo e para mim. Aliás, to pelas tampas de coisas que não me são necessárias no momento. Acho que vou mandar tudo junto com a doação pro Lar São Francisco.

X

Continuo sonhando com planícies ensolaradas, lugares que não são minha casa ? mesmo porque não a tenho, ainda ? crianças que morrem e eu em condições gratificantes. Acho que a questão agora compete ao manicômio.

X

E, não, eu não parei de ver as coisas com uma certa tristeza. O que pega é ver tudo isso depois de passar quatro dias sem o antidepressivo, ter parado de fumar e bebericado um tanto. Quando eu falo em sabotagem, falo com a experiência de quem vem fazendo isso há 23 anos.