segunda-feira

Já dizia a Dona Selma do Côco (olha a kumbice gritando), pêgapêga a minha roooola.

A Criz acabou de me fazer perder 5 minutos de produtividade com seu mais novo post. É, eu também acompanho a novela "Troca-troca do Destino" no fotolog mais próximo.

Entendam: a Nina Lemos não é Deus, portanto, os termos que regem minha vida estão bem além de "surtos descontrol". Hahaha!

E a minha tpm, que agora tem vergonha de mim? É, esse mês ela ME ERROU bonito.

Monguel, finalmente sua coleção de Conan serviu prá algo. Depois mando as fotos.

Meu nome tem sido Regina Duarte. Porque eu tenho medo. Mas isso não quer dizer que eu vou ficar longe do perigo (uuuuuh, peligroamn).
Sobre sapatos

"Ele chegou e trouxe junto um chulé pestilento. Só um banho completão-metrossexual daria jeito, só que aí ele quis botar de novo os sapatos para sair e jantar. E decidiu que não, que iria descalço, e que a opinião alheia não ia falar mais alto. Ela bem que tentou dissuadí-lo, mas vai tirar minhoca da cabeça de húmus?
Tomou na testa. Ninguém ligou, ninguém falou, ninguém botou ele prá fora, e ele voltou com os pés mais limpos do que antes."

Isso me faz pensar no tanto de vezes que eu deixo de fazer as coisas do meu jeito, preocupada no que os outros vão pensar/falar/comentar. E os outros estão sequer pensando na minha parca existência, então prá que? Agir de instinto tem sido uma idéia tão tentadora ultimamente...

sexta-feira

"Costas de nadadora, mãos de menina"
Na casa de Maria Beatriz do Carmo, ontem à noite:

- Leodrigo, filho, mainha vai fazê frango prá você mais seus irmão. Vai lavar essas mão aí, porcaria da peste!
Toca o interfone:
- É?
- Oi, querida, procurando por mim? Ho ho ho ho!
- Leorge, filho, sai da friage a-go-ra!
Chega Leorge, toca novamente o interfone:
- Nhé.
- Lé-du-ar-do, seje réspeitoso com sua mainha. Eu vou aí lhe buscar, criatura!
Eles descem e toca o telefone:
- Tô chegando.
- Mas se aprume, peste. Gosta de franguinho na mostarda, Leostavo?
- Fio de pobre comi di um tuuuudo, mainha.
- Pois bem, venha com as mãos lavadas.

Era prá ser janta, virou jantar. O frango tava piando ainda, é fato, e a champagne tosca era a única coisa bebível na casa. Mas eu pensei em voltar a cozinhar toda noite, sim.
E do mais velho ainda ganhei um gibi das primeiras edições de Estranhos no Paraíso. Ai, mata a véia.

--
em tempo: MaMilo estava ótimo, mas foi na medida certa. I can cramp, mister Djoh. Procurando por nós? A minha voz tá super Cicarelli, hohohoho! Eu só falo com a Criz por meios virtuais mesmo, a gente é muito tímida ao vivo. E rolou a national convention of queena lovers lá (faltou o Quiximbiro de Abreu). Acho que ontem foi o dia mais sapatão da minha vida, aee, aee, aee. Maria Zilda mandou, ó, beeeeeejo.
Back to the silence, a voz acabou.

quinta-feira

Gente, e não é que eu descobri hoje o que o nome do Eminem quer dizer? Não, besta, não a parte do MM, mas por ele se chamar Marshall Mathers.
Duh.
eu gosto do ponto onde as coisas dão uma certa preguiça, uma negligenciazinha espontânea.

meu ponto alto do dia, ontem, foi pintar as unhas do pé de vermelho e terminar de ler "balas perdidas", os dois volumes. viciozinhos.

não gostei, mesmo. me dê esse direito.

matriculada enfim. agora a parte de comprar caderninhos, canetinhas e frescurinhas na kalunga é a melhor!

tem um micróbio em mim que acorda cedo e corre esvaziar a água de cada célula do meu corpo, assim eu acordo parecendo um fritopan rouco e casquento. aí eu começo a tossir e lembro da máxima nojenta do marcuix, de que "se eu vendesse todo meu catarro ficaria milionária" (ah, vá, tem gente falando de cocô por muito menos). nessa época eu penso seriamente em fazer dublagem prá nair bello e o don vito corleone.

1h19 a.m. eternal. aha aha aha. é daí que me vem a preguiça, e é bom. vazei procêis tudo, a filosofia de vida é essa!

quarta-feira

Aí, eu tô, né, hiper demais, parecendo, né, um kléber, porque aí, né, eu tenho milhões de coisas na cabeça, e aí, eu não consigo fazer tudo de uma vez, né, então, aí, eu fico com pressa, e não suporto perder tempo pensando, nem fazendo o que não quero, né, aí, né, aí eu vou explodir mais dia menos dia, né, e você tá convidado pro meu enterro!
Aí era tuuuudo mentira.
Macarrão Big Fish

ingredientes:
* um tanto de macarrão, de qualquer tipo, do que tiver em casa
* dois punhados de manjericão colhido na hora
* azeite extra-virgem (ou composto de soja, que é podrão)
* algumas alcaparras socadas no socador sujo de pau-brasil (índio é tudo porco, sabe?)

A intenção é fazer o macarrão com o mínimo de recurso, prá depois se surpreender com o resultado, como o Big Fish.
Ai, odeio explicar piada, haha.

terça-feira

Valeu, Brasil!

--x--

Eu falei tanto a palavra "quiximbira" neste fim de semana, que ela está se incorporando a mim, assim como o sotaque do Humberto Gessinger. Maldição! Queena, eu vou ligar prá você e ficar cantando "nauaderiva, umassaltoemaltumaaaar", cê vai ver. É porque hoje eu vou ver filme oriental e tomar chimarrão. Silêncio. MEDO. Mas eu vou de coturno, ah, se vou. Nada de carcanhá descalço e idéias de amor livre, vida em comunidades indígenas, muito menos papos que abrem a percepção. Cabeça fechada e coluna do César Giobbi na ponta da língua. Glamour e futilidades, e um fora às pulseirinhas de semente de quiquiximbabira.
Eu sou fresca, ponto de exclamação. Eu não acampo porque não tem banheiro limpo. Eu não faço, jamais, miojo na chaleira, na fogueirinha do escoteiro. NÃO. NÃO!
Vou até jogar minha bata amarela, por via das dúvidas.
Digam "oi" para a mais nova aluna da Pós-Graduação em Criação de Imagem e Styling do Senac.
YAY!
E digam "oi" para o meu nominho no spc looogo loooogo.

segunda-feira

Ontem a Augusta parou prá ver a Queena na janela, de vestido de bolinha, lingerie de oncinha, e cara de abusadinha. A cama do Nêgo virou pocinha. A Vanice quis fazer tesourinha. E em breve teremos tudo isso no nosso portfoliozinho.

--x--

Que eu sou monga eu já sabia. Mas que eu posso ser ainda mais, isso era um tanto novo. Quem me vê me aventurando no desconhecido, ri de mim. Eu engrosso o coro.

--x--

E eu me lembro pouco porque tive sono, mas ontem falamos sobre a vida em aldeias, comunidades, crianças correndo barrigudas de camiseta e bunda de fora e o meu arremate inteligentíssmo:
- você não ia dar conta das fofocas.
Porque até em comunidade quiximbira tem disso. :)

--x--

E o tatuador holístico, hein?

--x--

Bah, mas eu tenho um gaúcho da fronteira morando dentro de mim. Ô sotaquezinho afudê.

--x--

Um sábado à noite, eu e meu computador, e nunca fui tão feliz em ser nerd. E você, pare de me tirar sarro, que eu te enforco!

sexta-feira

Tu veux ou tu veux pas
Tu veux c'est bien
Si tu veux pas tant pis
Si tu veux pas
J'en f'rai pas une maladie
Oui mais voilà réponds-moi
Non ou bien oui
C'est comme ci ou comme ça
Ou tu veux ou tu veux pas
Tu veux ou tu veux pas
Toi tu dis noir et après tu dis blanc
C'est noir c'est noir
Oui mais si c'est blanc c'est blanc
C'est noir ou blanc
Mais ce n'est pas noir et blanc
C'est comme ci ou comme ça
Ou tu veux ou tu veux pas

La vie, oui c'est une gymnastique
Et c'est comme la musique
Y a du mauvais et du bon
La vie, pour moi elle est magnifique
Faut pas que tu la compliques
Par tes hésitations

La vie, elle peut être très douce
A condition que tu la pousses
Dans la bonne direction
La vie, elle est là elle nous appelle
Avec toi elle sera belle
Si tu viens à la maison
Last night a DJ saved my life.

Ai, que cafona, mas foi o que aconteceu literalmente, ontem no (ma)Milo Garage. O tal do Centro Cultural Batidão mandou muitíssimo bem da Brigitte Bardot até Detroit Cobras, Mutantes e Tati Quebra-Barraco. Há muito eu não dançava que nem mongol ao lado da picape.
E lá vende pôster, e eu nunca fiquei tão feliz de não carregar cheque comigo.
:)
Da ressaca eu cuido depois.

quinta-feira

vamos brincar assim
"se não vai ajudar, não estorva"
um bico calado e as agulhinhas guardadas são muito, mas muito mais eficientes que um conselho que eu nem pedi.
tá doendo prá caralho, não to a fim de papo, não to a fim de explicação. o que é causa, nós sabemos. o que será daqui prá frente, nem nós sabemos. e assim permanece, sem o pitaco de ninguém mais.

quarta-feira

"Cinnamon Girl"

As war drums beat in Babylon
Cinnamon girl starts 2 pray
Eye've never heard a prayer like this 1
Never b4 that day

Tearful words of love 4 people she had never met b4
Asking God 2 grant them mercy in this face of a holy war

Cinnamon Girl

Cinnamon Girl of mixed heritage
Never knew the meaning of color lines
911 turned that all around
When she got accused of this crime

So began the mass illusion, war on terror alibi
What's the use when the god of confusion keeps on telling the same lie?

Cinnamon Girl

Don't cry, don't shed no tears
1 night won't make us feel
Cause we know how this movie's ending

Cinnamon Girl

As war drums beat in Babylon
And scorch the blood red sky
Militants bomb the foreign gun
Both sides truly die

Cinnamon girl opens the book she knows will settle all the scores
Then she prays after the war that there will not b anymore

Cinnamon Girl
silêncio
(só por hoje, vá. melhor, só por agora. do jeito que sou previsível, já já eu volto prá contar uma piada besta que só eu dou risada.)
Quando estou de bode, as músicas me atingem de forma diferente. Toxic, por exemplo, está agora no meu ouvido com o calibre de uma Canção D'Amigo. Saaaaaaaaai desse corpo que não te pertenceeeee!

terça-feira

Just for the record

Depois de quase 6 meses de prática, ontem eu finalmente consegui ficar de ponta cabeça por mais de 5 segundos, sem ajuda, na aula de ioga. Pelos braços da Ganesha*, achei que isso nunca fosse acontecer.

*é infame, mas tá no contexto, ok?
Minha vida é feita de eventos atípicos, vez ou outra me ocorre. Se for ver, eu não tive alguns dos "rituais de passagem" que a maioria teve que passar. E não fez diferença.
Eu não debutei, não fui apresentada para a sociedade. Pelo contrário, era até bem resguardada e não fazia parte de grupos de mocinhas nenhum ("as filhas dos médicos", "as casadoiras", "as do clube sírio" etc). Minha última formatura foi a da quarta série. Minto, foi a da oitava, só que nessa eu preferi não viajar para Porto Seguro e deixar minha calcinha por lá, prá poder viajar para o exterior sozinha (nem que o exterior em questão fosse a Disney). No terceiro colegial, não lembro o que estava fazendo, só lembro que minha formatura ia ser de manhã, com estrogonofe de frango no cardápio do almoço. Ninguém ali ia prestar vestibular, muito menos eu. Aliás, todos iam casar, menos eu.
A fase fudida do vestibular também não me pegou. Não faço idéia do que seja uma Fuvest, e prestei ESPM e FAAP crente que não ia passar e boa. Se não passasse, arrumava outra coisa, ia trabalhar, sei lá. Meu negócio era voltar prá Tampa e procriar por lá.
Aí o evento que explica o post. Ontem um grupo de bichos me parou prá pedir dinheiro do trote, e eu lembrei que, quando entrei na faculdade, meu trote foi bem diferente. Meus algozes estavam mais preocupados com a grana da pinga, e muitos deles ainda comemoravam a passagem de cetro para nós, bichos mais recentes. Ou seja, não andei amarrada, pintada feito uma imbecil (só meio-imbecil), não me zoaram nem me fizeram imitar animais. E terminado o pedágio, fui lá pro Luís tomar a minha merecida cervejinha, sem ninguém cantando o hino da faculdade. E a saída da faculdade também foi diferente. Numa sexta, apresentei o trabalho de conclusão. Na outra, me mudei para onde queria, meio que casei, este também sem rituais, e na noite do baile eu estava dormindo entre as caixas, feliz.
Sei que muitos eventos me fazem falta a título de vivência, de "ter o que contar na roda de amigos", mas acho que as escolhas da época cumpriram bem o papel de serem especiais. Mas aposto que ninguém aqui ouvia "A Débora Não Consegue Botar o Bum Bum no Chão" no programa do Bozo.
EU ESTOU GRÁVIDA DE
LUIZ CARLOS PRESTES!


esse demonho pinheirense me matou de rir ATÉ durante a ioga. DROGA!

segunda-feira

O Adalba é que tá certo. Em matéria de dor eu sou mais eu.
Feita prá mim.

sábado

A noiadinha da dieta acordou hoje às 7h30, desistiu da aula de meditação, mas foi pro banho, comeu uma banana e subiu a pé pela Paulista, ela e os Vaporettos que lavam as ruas. Fez ioga, foi para o centro, andou a pé horrores e chegando em casa ainda subiu pela escada. Almoçou um prato de macarrão com brócolis.
Eu dou uma semana prá ela largar disso tudo.

sexta-feira

Fórmula crucial para uma banda de sucesso:

letras chorosas, com palavras duras (melhor efeito se usadas contra si mesmo)
+ melodias folk rock (ou college rock, o que for mais "sappy happy")
+ paradinhas a la boy band (saca, quando a música dá uma baixada e vem o "malvadão" cantar com aquela cara de coitado? é isso)
+ riffs do metallica, que representa o metal cueca worldwide
+ visual meio-marilyn manson, meio-palhaço krusty do mal
= voilá! contrata o biscuit e pronto, você vai fazer show para as vítimas do tsunami, vai apresentar o VMA e morrer de o.d. em pipoca doce, no esquecimento.

Carnaval

3o dia
3o dia,
originally uploaded by Monga Monga Monga.












I went to the beach
The bitch was so hot
She looked at me and said
Do you like the beach, bitch?

quinta-feira

Quando eu encasqueto com alguma coisa, ninguém me leva a sério. Exempli gratia:

- como vc está de perspectiva de sair?
- agora? to livre.
- tô meio q querendo vazar...
- então, vamos correr no ibira? digo, andar
- hã?!?!
- to falando sério
- peraí que tô indo tirar sua temperatura
Estive em Floripa e lembrei de você*

- ingeri mais álcool que sucos
- enrijeci as batatas das pernas
- tomei sol e ganhei brotoejas
- ganhei óculos novos
- fiz minha primeira calça
- conheci o nantai (o primeiro do gênero)
- comi camarão, paella, carne de panela, risoto, crepe, ostra... comi.
- amei, afofei, agüentei o diabinho tapetinho neném Maminha
- comentei menos do que a maldade pedia
- comi no kharina e no joão bauru (off-ilha)
- honrei o apelido de Gon: come e dorme
- e as fotos você "pode estar conferindo" aqui.

*não, as carapuças não servem aqui.
(post que era prá ser âpeloudeado na sexta feira)

E a Narcisa fazendo "ruguinhas" para o Tom Cavalcante, ontem à noite? Não, tem pior, e eu vou contar, ah vou.

Segunda-feira, dia do julgamento do "Maiquel" Jackson (atente ao sotaque), o amigo Leão, vulgo Gilberto Barros reuniu a inteligenzia brasileira para discutir o caso. Inteligenzia, leia-se: Babi Xavier, Luiza Ambiel, Núbia Oólliivvee, Roberta Cipriani (é, a paquitita anã), Didi do BBB1 - o baiano ruim das idéias, e um tal de Sérgio com a maior cara de nova neca da G Magazine. Acho que era isso, mais um advogado.
Aí ouvíamos pérolas como estas:

(antes de qualquer declaração)"Leão, antes de tudo Boa Noite, Brasil, queria agradecer a Deus pela oportunidade de estar com este público maravilhoso, e a você também por este trabalho tão importante para a televisão brasileira"

Babi - "Leão, eu tenho uma sobrinha, a Camila, ela tem 4 anos, beeeijo Camila!, que adora a tia porque a tia dança, canta, interpreta, aquela coisa, né? Aí, quando ela vai dormir em casa, é claro que ela quer dormir com a tia, e não na cama de hóspede. Acho que com o Michael Jackson foi o mesmo. (clap clap clap clap clap)

Luisa Ambiel - "Mas como a gente pode ter certeza de que o menino foi alisado
com doces e carinhos, pelo MiconDjécson?"

Didi - "Éu acho tudo isso coisa di viado, é."

Pois bem, depois disso, o Cocóricó me pareceu ultra-educativo e adequado para a minha idade (não que não seja).

sexta-feira

Off with your (my) head

Tou indo lá apresentar o Maminha pro tio, a desculpa é essa. A partir de agora, 1, 2, 3 e vai, o feriado vira um filme românticobesta com gente jogando freesbee na praia e caminhando pela areia, com as calças arregaçadas.
Essa semana foi saco demais (tirando o aniversário e suas beneces, vejam bem) prá minha cabeça peraforme, ouvi merda demais, preciso descarregar tudo no esgotão de canasvieiras, nos hermanos. Na quarta eu volto tipassim fênix, das cinzas da infâmia, pronta prá aprontar no seu coração.
efeóí-fui!

quinta-feira

- nipple rings
- uma imagem de Jesus Cristo dizendo "Parabéns"
- um perfume entre baunilha e cítrico
- calcinha rosa transparente
- calcinha listrada e camiseta parzinho
- uma vaca que repete o que você diz
- um porta-retratos que já vem com acomodação planejada
- uma necessaire utilíssima para uma semi-pin up
- um vestido rosa há muito desejado
- uma blusa vermelha de alcinhas-lacinho
- um poster-to-be desenhado pela Senhora Incrí
- champagne e ferrero rocher
update
- uma flickr pro account (peraí, putaquepariu, eu voltei a ter um giga + meu arquivo de volta! aaaaaaah!)

definitivamente, esse ano meus amigos capricharam. não só pelos presentes, por serem o que são. vou me reerguer mais rápido, para deixar de reclamar que não acho trevo de quatro folhas, enquanto o quintal tá todo florido.

quarta-feira

é a última vez (no ano) que eu toco no assunto:
ontem, faltando 5 prá meia noite, quem foi que me apareceu na televisão? quem? cantando seu maior hit, aquele que fala de mudanças, apesar dos mendigos e tal.
ele, sim, o parto, o infuste, aquele-de-quem-falei-demais-no-mês.
e foi levando na cauda do seu piano insuporrrtável todas as minhas agonias das últimas semanas. deixou no ouvido não um adjnorádjnorá, mas um ouvido de perdão, uma amizade reforçada e minhas nóias dissipadas, e um tanto de sinceridade, que-é-a-base-de-um-bom-relacionamento.
hoje eu sou feliz. aham aham. felizinha da silva, perfumada, de calcinha nova, necessaire fofa, pirulitos e afofações.

terça-feira

Gilda-ndo

Se fosse bom, não teria alarde. E se fosse bom mesmo, não teria silêncio from inside.

Ah, a tua estratégia é um tanto velha. Vai ficar sem retorno.

Tem coisas que independem de mim. Tipo, muitas. Inclusive fazer você gostar de mim. A responsabilidade é sua. A qualidade eu garanto.

- Passei um tempo tentando convencer o mundo de que não era tão ruim assim.
- A mim você não convenceu, desculpa.
Traz o forps que um novo tempo está nascendo.

aiiii como eu sou repetitíuva